Situações em que Ghibah (falar pelas costas) é Permitida

Situações em que Ghibah (falar pelas costas) é Permitida

Os estudiosos afirmaram que ghibah é permitida em certas situações.


1 – Reclamar. É admissível que a pessoa que tenha sido injustiçada reclame com o governador ou juiz e outros que têm autoridade ou capacidade de acertar as contas com aquele que a enganou.

2 – Buscar ajuda para mudar um mal e trazer o pecador de volta para a senda reta, então ele pode dizer para a pessoa que ele pensa ser capaz de fazer algo: “Fulano está a fazer tal e tal; diga-lhe para não fazer isso.”

3 – Buscar conselho ou uma fatwa, dizendo ao mufti, “Fulano/o meu pai /o meu irmão prejudicou-me ao fazer tal e tal, ele tem o direito de fazer isso? Como posso resolver este problema e evitar o prejudício? “

4 – Avisar os muçulmanos do mal de alguém, tais como destacar a fraqueza de alguns repórteres ou testemunhas ou autores. Isso inclui também ver alguém a comprar bens defeituosos, ou que mantenha a companhia de alguém que seja um ladrão ou adúltero, ou dar uma parente deste em casamento a um homem, etc. Deve se dizer-lhes sobre isso por meio de conselhos sinceros, não com o objetivo de causar danos e propagar malícia.

5 – Se uma pessoa cometer pecado abertamente ou seguir bid’ah (inovações), tais como beber álcool e apreender a riqueza das pessoas ilegalmente, é permitido falar sobre o que esta está a fazer abertamente, mas não é permitido falar contra ela de qualquer outra forma, a menos que seja por outro motivo.

6 – Para identificação, se alguém é conhecido por um apelido como “o de visão fraca”, ou “o cego” ou “o de um olho” ou “o coxo”, é permitido identificá-lo como tal, mas é haram mencionar isso com intenção de o menosprezar, e se for possível identificá-lo de outra maneira, é melhor.

Na Fataawa al-Lajnah al-Daa’imah li’l-Ifta (26/20) é mencionado:

“Falar sobre uma pessoa na sua ausência é admissível em certas situações, indicadas pela evidência shar’i, se houver uma necessidade para isso, tal como se alguém consulta sobre como organizar um casamento para ele, ou entrar numa parceria de negócios com ele, ou se alguém se queixa às autoridades para pôr um fim à sua má conduta. Nesse caso, não há nada de errado em dizer coisas sobre ele que ele possa não gostar, porque há (bom) interesse a ser cumprido com isso. Um dos estudiosos resumiu em duas linhas de poesia as situações em que é permitido falar sobre uma pessoa na sua ausência, e disse:

‘Criticar não é gheebah em seis (casos) – reclamar, identificar, advertir,

Quando a pessoa está a cometer pecado abertamente, quando o conselho for solicitado,

e quando se está a pedir ajuda para a remoção de um mal.'”

Fonte: IslamQA

O Islam e o Ser Humano