Apoiando o Bem-Estar Mental e Emocional de Nossos Filhos

Apoiando o Bem-Estar Mental e Emocional de Nossos Filhos

O tema saúde mental ainda é tabu na comunidade muçulmana. Infelizmente, conheço cinco muçulmanos que recentemente suicidaram após sofrerem com doenças mentais por muitos anos. Essas tragédias são frequentemente mal compreendidas e as famílias das vítimas de doenças mentais são deixadas sozinhas em sua dor, juntamente com o julgamento doloroso de pessoas que desprezam essas vítimas.


Precisamos tirar esse tópico da escuridão e iluminar os fatos. A doença mental é uma doença como qualquer outra. Pode ser tratada, mas os resultados são variados. Muitas vezes, é uma batalha para toda a vida que, apesar do tratamento mais agressivo e do apoio dos familiares, as vítimas sucumbem à doença, afastando-se de seus entes queridos, sofrendo em silêncio e, no pior dos casos, pondo fim às suas vidas. A doença mental geralmente é hereditária ou pode ser causada por circunstâncias do cotidiano.

Como pais, devemos facilitar o bem-estar emocional de nossos filhos como uma forma de ajudá-los a se proteger das dificuldades inevitáveis ​​que enfrentarão na vida. Embora, para algumas crianças até mesmo nossos melhores esforços sejam inúteis contra uma predisposição genética para a depressão ou uma doença mental biológica grave, ainda precisamos fazer nossa parte, tendo consciência de que devemos cuidar desse aspecto de nossos filhos. Estamos muito preocupados com a forma como nossos filhos estão se desenvolvendo academicamente e em seu desempenho, mas esquecemos seus sentimentos. Precisamos ter certeza de que nossas táticas e esforços direcionam nossos filhos para o desenvolvimento de uma mentalidade saudável e de uma autoestima positiva. Para alguns, essa armadura pode ser um escudo em tempos de dificuldade. Se nossos esforços em casa não estão ajudando, saiba quando procurar ajuda de um especialista em saúde mental. É muito sensato procurar profissionais que possam avaliar melhor o que seu filho está enfrentando.

O IBGE registrou que, no Brasil, há 16,3 milhões de pessoas em depressão e informou um aumento de 34% nos casos, de 2013 para 2019. E o suicídio é a segunda principal causa de morte em jovens entre 15 e 29 anos.

Nossos filhos pertencem a uma geração que os programa para a gratificação instantânea, os pais tendem a se intrometer e resolver os problemas para seus filhos imediatamente, o tempo de atenção é curto e eles estão constantemente conectados ao mundo digital, com tudo na ponta dos dedos. O resultado desse estilo de vida moderno resulta na dificuldade de aprenderem a resiliência e não desenvolverem uma capacidade natural de perseverar, de continuar trabalhando em direção às metas, apesar dos contratempos e fracassos.

Então, como podemos criar melhor nossos filhos para serem capazes de agir da melhor forma no mundo de hoje, para terem força emocional e resiliência? Aqui estão algumas dicas e estratégias que compilei ao longo dos anos a partir de várias fontes que podem ajudar a construir crianças confiantes que sabem como lidar com os desafios de hoje:

  1. Torne a Salah (oração) parte da vida de seu filho: Allah (louvado seja) abençoará a vida daqueles que rezam diariamente e seu filho desenvolverá a consciência de Allah por meio desse ato. Ensine seu filho a pedir ajuda a Allah diariamente. Reze com seus filhos e lembre-os das orações. O presente da oração foi dado ao nosso Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) durante um dos anos mais difíceis de sua vida: o ano do falecimento de seu tio Abu Talib e de sua esposa Khadija, e da severa perseguição aos muçulmanos. O ato de oração é um lembrete aos muçulmanos a recorrerem a Allah em tempos de adversidade.
  2. Suplique (faça duaa’): Suplique para tudo, desde estudar para o teste, jogar, dirigir um carro ou sair de casa, devemos constantemente nos lembrar de Allah (louvado seja). Essa é outra maneira que as crianças encontram força em suas atividades diárias. Ao conectar todas as nossas ações com Allah (louvado seja), encontramos apoio e força em nosso Criador.
  3. Deixe-os sair e brincar: desconecte seus filhos e mande-os para fora de casa para brincar. Os jovens de hoje gastam em média apenas quatro a sete minutos por dia em brincadeiras não estruturadas e ao ar livre, como escalar árvores, construir fortes, apanhar insetos ou brincar de pega-pega, mostram os estudos. Ainda assim, muitas crianças passam de 3 a 4 horas por dia na frente de uma tela. Nos últimos anos, a National Wildlife Federation divulgou um relatório abrangente mostrando os benefícios únicos de brincar ao ar livre para a saúde mental das crianças.
  4. Participe de atividades/clubes extracurriculares: Colocar as crianças para participar de um esporte de equipe ou clube onde tenham que interagir com um grupo de indivíduos aumenta a confiança e promove o trabalho em equipe. Essas interações ensinam as crianças a se expressar, a receber um retorno crítico, lidar com a frustração e a aceitar o fracasso. Elas aprendem que, às vezes podem liderar o grupo e, às vezes precisam ser apenas participantes do grupo. As crianças aprendem como cada pessoa faz parte do sucesso geral do grupo ou equipe. Isso é especialmente importante porque vivemos em uma época em que tudo é “eu” – telefones, notebooks, etc. Precisamos ensinar as crianças mais sobre “nós”!       
  5. Deixe as crianças ajudarem na casa: pare de fazer tudo por seus filhos. Deixe-os limpar a mesa do jantar, colocar a louça na pia, colocar o lixo para fora, arrumar a cama, limpar o quarto, arrumar os livros e o dever de casa na mochila… As crianças não aprenderão a ser independentes e autônomas quando tudo estiver feito por elas.
  6. Pare de elogiar demais seu filho: um estudo recente feito pela Universidade de Stanford com crianças pequenas mostrou que elogiar o esforço, não o talento, leva a uma maior motivação e a atitudes mais positivas em relação aos desafios futuros. Essas descobertas são consistentes com pesquisas anteriores, que relacionaram o elogio com o aumento da motivação das crianças, mas apenas quando se baseia em atributos reais. Considere fazer estas declarações alternativas: Em vez de dizer: “Você é tão inteligente!” diga: “Você trabalha tanto na escola e isso fica evidente”. Em vez de dizer: “Você sempre tira boas notas. Isto me faz feliz!” diga: “Quando você se esforça, suas notas mostram isso. Você deveria estar tão orgulhoso de si mesmo e estou orgulhoso de você.” Em vez de dizer: “Você é um grande atleta! Você poderia ser o próximo Neymar!” diga: “Continue praticando e você continuará a ver grandes resultados. Bom trabalho!”
  7. Deixe-os falhar: Isso não significa que você deva incentivar seus filhos a falharem, mas sim mostrá-los que falhar é também algo natural. Incentive seus filhos a experimentar novos hobbies ou atividades, como um projeto de arte, um esporte ou aprender a andar de patins. Crianças que não toleram o fracasso são vulneráveis ​​à ansiedade e isso pode levar a problemas maiores quando falham inevitavelmente. As crianças precisam saber que não há problema em falhar, pois isso acontecerá ao longo de suas vidas. Elas precisam saber que é um ato de coragem tentar algo novo, sabendo que pode não funcionar. Proteger as crianças do fracasso pode criar um frágil senso de autoestima. Ser capaz de se recuperar de qualquer contratempo será uma ferramenta valiosa em sua vida. Ajude-as a reformular a maneira como veem o fracasso, sugerindo novas maneiras de avaliar a experiência, como: Se seu filho disser: “Eu sou tão burro”, ensine-o a se perguntar: “O que eu deixei passar nessa tarefa?” ou “O que eu poderia ter estudado mais?” Em vez de: “Não sou bom em matemática (ou qualquer outra matéria)” incentive-os a dizer: “Vou treinar mais matemática (ou qualquer outra matéria)”. Em vez de: “Isso é muito difícil”, ajude-os a ver o obstáculo como: “Isso vai tomar algum tempo e esforço”. Em vez de: “Desisto”, ensine seu filho a dizer: “Vou tentar de novo, mas desta vez usarei outra estratégia”. Em vez de dizer: “Cometi um erro”, diga: “Os erros me ajudam a melhorar”.
  8. Ensine seu filho a se expressar: Ter conversas diárias com seus filhos e deixá-los falar ajuda as crianças a saberem que você valoriza seus pensamentos. Indivíduos que reprimem emoções e não falam sobre seus sentimentos são mais propensos a lutar contra o bem-estar emocional. Aprender a identificar e expressar emoções de maneira positiva e saudável ajuda as crianças a construírem uma base sólida para o sucesso mais tarde na vida.
  9. Incentive seus filhos a serem ativos, a se exercitarem e a fazerem escolhas alimentares saudáveis: esta é outra área de desenvolvimento na qual devemos ter cuidado ao verbalizar. Mesmo os médicos não usam as palavras “obesidade” e “excesso de peso” com crianças. Em vez disso, fale sobre saúde em geral. Diga coisas como “Ter saúde é importante” e “Gosto de sair de casa e caminhar com você”. Se seu filho lhe informa sobre seu desconforto com a sua aparência, ouça o que ele tem a dizer e ofereça soluções sobre como toda a sua família pode melhorar sua saúde e fazer escolhas saudáveis. Quando toda a família faz escolhas saudáveis, a criança não se sente isolada e se sente apoiada nos esforços para ser saudável. As crianças são sensíveis à imagem corporal e ao que os outros pensam delas a partir dos 6 anos, mas especialmente na pré-adolescência. Desenvolva hábitos alimentares saudáveis ​​e de exercício em família, mesmo com os seus filhos pequenos. As crianças muito pequenas podem desenvolver baixa autoestima em relação à sua aparência. Crie o hábito de fazer seus filhos se mexerem por 30-60 minutos diariamente quando chegarem em casa da escola. Ensine-os a fazer melhores escolhas em relação aos alimentos.
  10. Serviço comunitário: ensine seus filhos a compartilhar e ajudar outros. Pesquisas mostram que indivíduos que ajudam os outros e prestam serviço comunitário são mais felizes do que os que não o fazem. Passe algum tempo com a família como voluntário em um refeitório, abrigo, limpando o parque juntos ou participando de um comitê de justiça social. Allah (louvado seja) sempre ajudará um servo que cuida de Sua criação.
  11. Mostre amor aos seus filhos: as crianças precisam sentir e ouvir o quanto seus pais as amam. Abraçar e demonstrar afeto a seus filhos é crucial para que eles construam um autoconceito positivo. Os pais (homens), especialmente, devem fazer um esforço extra para demonstrar afeto por seus filhos e filhas.
  12. Não compre tudo o que eles querem: a vida não é fácil. Se as crianças estão sempre recebendo todos os presentes que desejam, elas não aprendem a valorizar nem mesmo as necessidades mais básicas da vida. Mashallah, muitos pais que estão financeiramente prósperos querem dar a seus filhos o que eles não tiveram, mas isso pode tirar o ímpeto das crianças de trabalhar duro e apreciar o esforço do trabalho, em geral.
  13. Desenvolva o bom caráter em seus filhos começando quando são pequenos: Se você incutir bom comportamento e modelar este bom comportamento desde a infância de seus filhos, é mais provável que eles desenvolvam naturalmente um bom caráter. Aprender a controlar a raiva, a respeitar os mais velhos, a dizer por favor e obrigado, a compartilhar e a cuidar dos hóspedes são atos que as crianças devem começar a aprender muito cedo. Esses atos altruístas ajudam as crianças a entender que a vida não envolve apenas elas.
  14. Ensine a paciência: Allah nos lembra que Ele está com aqueles que são pacientes. A vida é cheia de altos e baixos na saúde, riqueza, família e muito mais. Todos nós seremos testados em pelo menos uma dessas áreas. Ajude seus filhos a perceberem que as soluções nem sempre serão instantâneas. Às vezes, as resoluções dão trabalho e levam tempo.
  15. Finalmente e mais importante, se você perceber seu filho ou membro da família realmente lutando, peça AJUDA! Ir a um terapeuta, conselheiro ou psiquiatra não é errado e pode salvar vidas. Tenho visto adultos não receberem ajuda por causa do que as pessoas diriam ou porque as famílias desconsideram a gravidade dos sintomas de uma pessoa, dizendo a ela que seus problemas emocionais são porque ela não tem imaan (fé) ou que pode ser magia negra. Certamente, busque ajuda espiritual, mas, ao mesmo tempo, obtenha ajuda de médicos especialistas que Allah criou para ajudar pessoas que sofrem de doenças mentais. Existem medicamentos que podem ajudar a tratar doenças mentais e o aconselhamento e terapia que podem ajudar a aliviar o sofrimento.

Que Allah nos guie e proteja a todos nós e nos conceda a capacidade de ter compaixão por aqueles que sofrem de qualquer doença.

por Habeeb Quadri

NOTA: Muito obrigado à Conselheira Escolar da MCCA Dra. Samar Harfi, PsyD., Por sua supervisão e contribuições para o conteúdo deste artigo.

A tradutora fez pequenos ajustes à realidade brasileira.

Fonte: muslimmatters.org

O Islam e a Saúde