Dia Dezenove: A Batalha da Conquista de Makkah

Dia Dezenove: A Batalha da Conquista de Makkah

Meus irmãos: Assim como a Batalha de Badr ocorreu neste mês, o mesmo aconteceu com a abertura de Makkah. Que aconteceu no 8º ano da Hégira. Allah acabou com o shirk ao dar a vitória aos muçulmanos na cidade e a tornou uma cidade islâmica. Estes são os eventos que levaram à abertura de Makkah. Após a conclusão do Tratado de Hudabiyah, quem quisesse entrar em acordo com o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) podia, e quem quisesse entrar em acordo com os Quraish podia. Então Khuza’a entrou em acordo com o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e Banu Bakr entrou em acordo com os Quraish. Essas duas tribos tinham conflitos entre si durante o tempo da ignorância. Banu Bakr atacou Khuza’a e os Quraish secretamente lhes forneceram armas e homens.


O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) foi informado sobre isso, e os Quraish descobriram e perceberam que isso quebrou o tratado. Eles enviaram Abu Sufyan para tentar convencer o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) a manter o tratado, mas o Profeta (sallallaahu’ alaihii wa sallaam) nem sequer lhe respondeu. Ele tentou falar com Abu Bakr e ‘Umar, eles também não responderam, depois falou com ‘Ali, que a princípio não falou com ele, mas finalmente disse: “Não acho que nada te possa ajudar agora. Tu és o chefe de Banu Kinana, então levanta-te e tenta restaurar a paz”. Ele perguntou: “Achas que valerá a pena?”. “Por Deus, eu acho que não”, respondeu ‘Ali, “mas não há mais nada que possas fazer”. Ele então retornou a Makkah e contou aos Quraish o que havia acontecido e como ele fez as pazes entre o povo. Eles perguntaram se Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) o aprovou para fazer as pazes, e ele respondeu que não, então disseram: “Ai de ti, eles fizeram pouco de ti”.

O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) ordenou que os seus companheiros se preparassem para a guerra, e ele fez du’a para Allah tirar as informações e a capacidade de ver dos Quraish, para que eles não soubessem que os muçulmanos estariam chegando até alcançarem Makkah. No caminho para Makkah, eles encontraram Al-Abbas, que tinha sua família com ele, e ele estava fazendo Hijrah como muçulmano para Madinah. Eles também se depararam com Abu Sufyan ibn al Harith e Abdullah Bin Abu Umayah, que eram um dos inimigos mais fortes do Islam, e ambos se tornaram muçulmanos. Quando chegaram a um lugar chamado Marra Adhahraan, o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) ordenou que os soldados acendessem as fogueiras, e Al-Abbas montou em seu burro para que ele estivesse seguro. Al-Abbas ouviu a voz de Abu Sufyan dizendo a Budayl bin Waraqah: “Eu nunca vi um exército com tanto fogo”. Budayl respondeu que era Khuza’a, e Abu Sufyan disse que o (fogo) de Khuza’a é menos e mais pequeno. Depois que Al-Abbas reconhecer a voz de Abu Sufyan, ele o chamou e disse: cavalgue comigo e eu o levarei ao Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). Então Al-Abbas levou Abu Sufyan ao Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e o Profeta (sallallaahu’ alaihii wa sallaam) disse: “Ai de ti, Abu Sufyan! Ainda não chegou a hora de reconheceres que não há deus, exceto Allah?” Abu Sufyan respondeu: “Quão gentil e bondoso és! Por Allah, acho que se houvesse outro deus além de Allah, ele ter-me-ia ajudado hoje”. “Ai de ti, Abu Sufyan! Não está na hora de reconheceres que eu sou o Mensageiro de Allah?” Abu Sufyan hesitou e Al-Abbas disse-lhe: “Ai de ti, submete-te!” Então Sufyan fez a verdadeira Shahadah e se tornou muçulmano. Então o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) ordenou que ele ficasse com Al-Abbas em um lugar onde todos os muçulmanos passariam, e ele viu todas as diferentes tribos com suas bandeiras. Então o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) entrou em Makkah com grandeza, e sua cabeça abaixou em humildade a Allah (louvado e glorificado seja). O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse então que quem entra no Masjid está seguro, quem entra na casa de Abu Sufyan está seguro, e quem entra na casa e tranca a porta está seguro. Então o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) foi até à Ka’bah e fez tawaf enquanto andava. Havia 360 ídolos ao redor da Ka’bah. Ele destruiu os ídolos com um graveto que tinha enquanto recitava: A Verdade chegou e a falsidade pereceu. Por certo, a falsidade é perecível [17:81]. Ele então entrou na Ka’bah que tinha imagens que ele ordenou que fossem destruídas, depois orou dentro da Ka’bah. Ele então fez takbír e proclamou a Unicidade de Allah, então ele ficou na porta da Ka’bah enquanto os Quraish estavam todos assistindo para ver o que ele faria em seguida. Ele (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: “Não existe deus senão Allah, o Único, sem parceiros, a Ele pertence o Reino, e Louvor, e Ele é capaz de todas as coisas, Sua promessa é verdadeira e Ele deu vitória aos seus servos e fez o inimigo fugir. Ó povo dos Quraish! Allah aboliu a arrogância da Jahiliyyah (ignorância pré-islâmica) e sua veneração pelos antepassados. Todas as pessoas nascem de Adão, e Adão veio do pó.” [49:13] Então ele recitou este versículo: “‘Ó homens! Por certo, Nós vos criamos de um varão e de uma varoa, e vos fizemos como nações e tribos, para que vos conheçais uns aos outros. Por certo, o mais honrado de vós, perante Allah é o mais piedoso. Por certo, Allah é Onisciente, Conhecedor’. Ó povo dos Quraish, o que acham que farei convosco hoje?” Eles disseram: “O bem, ó irmão nobre, filho de um irmão nobre”. Ele disse: “Pois, por certo, dir-vos-ei como Yussuf disse aos seus irmãos: ‘Não há exprobração a vós, hoje. Que Allah vos perdoe. E Ele é O mais Misericordiador dos misericordiadores.’ [12:92] Então ide, pois, de facto, estareis livres”. O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) permaneceu por 19 dias em Makkah e rezou a oração do viajante, e não jejuou pelo resto do mês.

Com esta grande abertura, Allah deu a vitória aos crentes e o povo entrou no Islam em multidões. Um Estado para os muçulmanos governado pelo Livro de Allah foi estabelecido, e para Allah é todo o louvor, e isso é da generosidade de Allah que durará até ao Dia do Julgamento.

Continua amanhã…

Siyam e Ramadan