Refutando os que Citam o Alcorão com o Intuito de Dizer que Jesus é o “Filho de Deus”

Refutando os que Citam o Alcorão com o Intuito de Dizer que Jesus é o “Filho de Deus”

Pergunta: Eu li que a Igreja cita alguns versos do Alcorão para provar que Jesus (que a paz esteja com ele) é o “filho de Deus”. A sua evidência é a de que quando Allah estava sozinho Ele disse, “Por certo, Eu sou Allah! La illaha illa Ana (Não há divindade além de Mim)” [Ta-Ha 20:14], no singular; mas quando criou Jesus o estilo usado em alguns versos mudou para o plural, como nos versos: “Nós revelamos a Mensagem (i.e. o Alcorão)” [al-Hijr 15:9] e “Somos Aquele que dá a vida e a morte”, [al-Hijr 15:23]. E eles dizem, Deus esta a falar no plural, i.e., no sentido de “Deus, Jesus e o Espírito Santo”.


Resposta: A variação de estilo no Qur’an, deve-se ao facto de Allah por vezes falar de Si no singular e por vezes numa forma plural usado como modo de respeito, não provando que Jesus (que a paz esteja com ele) é o filho de Deus, ou que ele é divino. Isto acontece por uma série de motivos:

1.

A variação de estilos usado no Qur’an, tanto da forma singular como plural, ocorre com referência a eventos que tiveram lugar milhares de anos antes da criação de Jesus (que a paz esteja com ele) e de sua mãe Maryam (Maria), aquando da sua criação e ainda depois disso. A sua existência não tem qualquer efeito na variação de estilos, mas sim, isto acontece devido a uma outra razão que pode ser explicado como se segue. Allah diz:

“Criamos da argila o homem, do barro modelável. Antes dele, havíamos criado os gênios, do fogo puríssimo. ”[al-Hijr 15:26-27]

“E (lembra-te) de quando dissemos aos anjos: Prostrai-vos ante Adão! Prostraram-se todos, menos Lúcifer, que era um dos gênios, e que se rebelou contra a ordem do seu Senhor. Tomá-los- íeis, pois, juntamente com a sua prole, por protetores, em vez de Mim, apesar de serem vossos inimigos?” [al-Kahf 18:50]

O estilo usado (singular vs. plural) variou ainda antes da existência de Jesus e de sua mãe (que a paz esteja sobre ambos). Allah disse:

“Revelamos a Tora, que encerra Orientação e Luz, com a qual os profetas, submetidos a Allah, julgam os judeus, bem como os rabinos e os doutos, aos quais estavam recomendadas a observância e a custódia do Livro de Allah. Não temais, pois, os homens, e temei a Mim, e não negocieis as Minhas leis a preço ínfimo. Aqueles que não julgarem conforme o que Allah tem revelado serão incrédulos. Nela (a Tora) temo-lhes prescrito: vida por vida… E depois deles (profetas), enviamos Jesus, filho de Maria, corroborando a Tora que o precede; e lhe concedemos o Evangelho… Em verdade, revelamos-te (O Muhammad) o Livro corroborante e preservador dos anteriores.” [al-Ma’idah 5:44-48]

“Em verdade, enviamos Nuh (Noé) ao seu povo” [Nuh 71:1]

E Allah disse em relação ao Seu Khalil (amigo próximo, achegado) Ibrahim (Abraão) (que a paz esteja com ele):

“E quando os abandonou com tudo quanto adoravam em vez de Allah, agraciamo-lo com Isaque Jacó, e designamos ambos como profetas. E os recompensamos com a Nossa misericórdia, e lhes garantimos honra e uma língua veraz.” [Maryam 19:49-50]

E Ele disse acerca de Musa (Moisés) (que a paz esteja com ele):

“Chamamo-lo à escarpa direita do Monte e fizemos com que se aproximasse, para uma confidência. E o agraciamos com a Nossa misericórdia, com seu irmão Harun (arão), outro profeta.” [Maryam 19: 52-53]

E Ele ainda disse:

“Inspiramos-te (O Muhammad), assim como inspiramos Nuh (Noé) e os profetas que o sucederam…” [al-Nisa’ 4:163]

“E (recorda-te) também daquela que conservou a sua castidade (Maria) e a quem alentamos com o Nosso Espírito, fazendo dela e de seu filho sinais para a humanidade.” [al-Anbiya’ 21:91]

“Então, Allah dirá: Ó Jesus, filho de Maria, recorda-te de Minhas Mercês para contigo e para com tua mãe…” [al-Ma’idah 5: 110]

E existem muitos outros versos nos quais o estilo varia entre singular e plural, onde falam da criação de Jesus, ou das palavras de Allah dirigidas a ele, e ainda antes de este ter sido criado. A partir disto fica claro que o estilo não alterou depois da criação de Jesus (que a paz esteja com ele) como indício de que ele é o “filho de Deus” ou de que ele é “divino”, pelo contrário , é devido a uma outra razão como veremos a seguir.

2.

Todo aquele que conhece a língua árabe e os seus estilos saberá que o pronome “Ana” (Eu) e a primeira pessoa é usado no singular quando se fala de si mesmo. A primeira pessoa de plural “Nahnu” (Nós) é usada para se referir a uma ou mais pessoas. Mas também pode ser usado por um individuo de alta posição como sinal de sua grandiosidade, e o contexto e as circunstâncias ajudam o leitor ou o ouvinte a compreender o que é mencionado. Qualquer um que discorde com isso ou é um ignorante e não sabe do que está a falar ou é teimoso e pretende distorcer o significado das palavras, seguindo os seus desejos e caprichos. Mas Allah estabelecerá e fará aparente a verdade pelas Suas Palavras, por mais que os pecadores odeiem isso [cf. Yunus 10:82]. Isto será explicado mais adiante.

3.

O Qur’an é um livro no qual os Versos são aperfeiçoados (em todas as esferas do conhecimento), e depois intensamente elucidados por Alguém Onisciente, Prudentíssimo [cf. Hud 11:1] e a Falsidade não se aproxima dele (o Livro), nem pela frente, nem por trás; é a revelação do Prudente, Laudabilíssimo. [cf. Fussilat 41:42]. Partes dele explicam e confirmam outras partes. Allah diz:

 “Afirmam: O Clemente teve um filho! Sem dúvida que hão proferido uma heresia. Por isso, pouco faltou para que os céus se fundissem, a terra se fendesse e as montanhas, desmoronassem. Isso, por terem atribuído um filho ao Clemente, quando é inadmissível que o Clemente houvesse tido um filho. Sabei que tudo quanto existe nos céus e na terra comparecerá , como servo, ante o Clemente.” [Maryam 19:88-93]

“Dize (O Muhammad): Ele é Allah, o Único! Allah! O Absoluto! Jamais gerou ou foi gerado! E ninguém é comparável a Ele!” [al-Ikhlass 112:1-4]

“O exemplo de Jesus, ante Allah, é idêntico ao de Adão, que Ele criou do pó; então lhe disse: Seja! e foi.” [al’Imran 3:59]

Portanto, todo aquele que acredita n’Ele deve estudar os versos do Qur’an à luz um do outro, e não de forma isolada. Aquele que cita do Qur’an deve ser justo na sua citação. Ele não deve citar alguns versos e renunciar outros, e ele nao deve confudir a verdade com a falsidade ou usar alguns versos contra outros de forma a promover falsidade, assim como os nossos predecessores, os Judeus, fizeram com a Torah (Torá), pelo qual Allah os denunciou quando Ele disse:

“Credes acaso, em uma parte do Livro e negais a outra? Aqueles, dentre vós, que tal cometeram, não receberão, em troca, senão a desonra, na vida terrena e, no Dia da Ressureição, serão submetidos ao mais severo dos castigos. E Allah não está desatento em relação a tudo quanto fazeis.” [al-Baqarah 2:85]

Com base nisto, aqueles que citam o Qur’an como prova devem aceitar a sua evidência de que Jesus (que a paz esteja com ele) não é o “filho de Deus” e que ele não é divino juntamente com Deus, e eles devem afirmar a Unicidade de Deus, devido ao que é mencionado nestes versos, e porque Allah diz:

“São blasfemos aqueles que dizem: Allah é o Messias, filho de Maria, ainda quando o mesmo Messias disse: Ó israelitas, adorai a Allah, Que é meu Senhor e vosso. A quem atribuir parceiros a Allah, ser-lhe-á vedada a entrada no Paraíso e sua morada sera o fogo infernal! Os injustos jamais terão socorredores. São blasfemos aqueles que dizem: Allah é um da Trindade!” [al-Ma’idah 5:72]

E existem muitos versos semelhantes a esse no Qur’an.

De outro modo, eles devem parar de brincar com as palavras, porque isso só vai levá-los à vergonha e fará o sábio rir-se deles em escárnio .

[Fatawa al-Lajnah al-Da’imah, 3\216-218]

Fonte: IslamQA

Religião Comparada