A Mensagem Islâmica Antirracista do século 7 ainda Ressoa

A Mensagem Islâmica Antirracista do século 7 ainda Ressoa

Por Asma Afsaruddin – Professora de Estudos Islâmicos e ex-presidente do Departamento de Línguas e Culturas do Oriente Médio, Universidade de Indiana

Um dia, em Makkah, o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) lançou uma bomba sobre seus seguidores: Ele disse que todas as pessoas são criadas igualmente.

“Todos os humanos descendem de Adão e Eva”, disse Muhammad em seu último discurso público conhecido como o Sermão da Despedida. “Não há superioridade de um árabe sobre um não árabe, ou de um não árabe sobre um árabe, e nenhuma superioridade de um branco sobre um negro ou de um negro sobre um branco, exceto com base em piedade e retidão pessoais.”


Nesse sermão Muhammad delineou os ideais éticos e religiosos básicos do Islam, a religião que ele começou a pregar no início do século VII. A igualdade racial era uma delas. As palavras de Muhammad sacudiram uma sociedade dividida por noções de superioridade tribal e étnica.

Hoje, com a tensão racial e a violência agitando as Américas contemporâneas, sua mensagem é vista como um mandato moral e ético especial para os muçulmanos apoiarem o movimento de protesto antirracismo.

Parentesco desafiador

Além do monoteísmo – adoração de apenas um Deus – a crença na igualdade de todos os seres humanos aos olhos de Deus separou os primeiros muçulmanos de muitos de seus companheiros árabes em Makkah.

O capítulo 49, versículo 13 da sagrada escritura do Islam, o Alcorão, declara:

“Ó homens! Por certo, Nós vos criamos de um varão e de uma varoa, e vos fizemos como nações e tribos, para que vos conheçais uns aos outros. Por certo, o mais honrado de vós, perante Allah é o mais piedoso…”

Este versículo desafiou muitos dos valores da sociedade árabe pré-islâmica, onde as desigualdades baseadas na filiação tribal, parentesco e riqueza eram um fato da vida. Parentesco ou descendência linear – “nasab” em árabe – era o principal determinante do status social de um indivíduo. Membros de tribos maiores e mais proeminentes, como os aristocráticos quraishitas, detinham o poder. Aqueles de tribos menos ricas como o Khazraj possuíam posição inferior.

O Alcorão afirma que a piedade e as ações pessoais são a base do mérito, não da afiliação tribal – uma mensagem estranha e potencialmente desestabilizadora em uma sociedade construída sobre nasab.

A rica tribo Quraish da antiga Arábia dominou a região durante séculos.

Dê-me sua energia, ó pobre!

Como costuma ser o caso com movimentos revolucionários, o Islam primitivo encontrou oposição feroz de muitas elites.

Os quraishitas, por exemplo, que controlavam o comércio em Makkah – um negócio com o qual lucraram muito – não tinham intenção de desistir do estilo de vida confortável que construíram nas costas de outros, especialmente seus escravos trazidos da África.

A mensagem de igualitarismo do Profeta tendia a atrair os “indesejáveis” – pessoas à margem da sociedade. Os primeiros muçulmanos incluíam jovens de tribos menos influentes que escaparam desse estigma e escravos que receberam a promessa de emancipação ao abraçar o Islam.

As mulheres, declaradas iguais aos homens pelo Alcorão, também acharam a mensagem de Muhammad atraente. No entanto, o potencial da igualdade de gênero no Islam ficaria comprometido com o surgimento das sociedades patriarcais.

Com a morte de Muhammad, em 632 AD, o Islam provocou uma transformação fundamental da sociedade árabe, embora nunca tenha apagado totalmente a antiga reverência da região pelos laços de parentesco.

Eu não consigo respirar

O Islam primitivo também atraiu não árabes, estrangeiros com pouca posição na sociedade árabe tradicional. Entre eles, Salman, o persa, que viajou para a península arábica em busca da verdade religiosa; Suhaib, o grego, um comerciante e um etíope escravizado chamado Bilal.

Todos os três alcançariam proeminência no Islam durante a vida de Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). A sorte muito melhorada de Bilal, em particular, ilustra como o igualitarismo pregado pelo Islam mudou a sociedade árabe.

Servo escravizado de um aristocrata de Makkah chamado Umayya, Bilal foi perseguido por seu dono por abraçar a nova fé. Umayya colocou uma pedra no peito de Bilal, tentando sufoca-lo para que abandonasse o Islam.

Comovido com o sofrimento de Bilal, o amigo e confidente de Muhammad, Abu Bakr, que liderou a comunidade muçulmana após a morte do Profeta, comprou sua alforria.

Bilal também era excepcionalmente próximo de Muhammad. Em 622, o Profeta o nomeou o primeiro muadhin – a pessoa a fazer o chamado público à oração – em reconhecimento à sua voz poderosa e agradável e sua piedade pessoal. Bilal mais tarde se casaria com uma mulher árabe de uma tribo respeitável – algo impensável para um africano escravizado no período pré-islâmico.

Vidas negras importam

Para muitos muçulmanos modernos, Bilal é o símbolo da mensagem igualitária do Islam, que em sua aplicação ideal não reconhece nenhuma diferença entre os humanos com base na etnia ou raça, mas sim está mais preocupado com a integridade pessoal. Um dos principais jornais muçulmanos negros dos Estados Unidos, publicado entre 1975 e 1981, chamava-se The Bilalian News.

Mais recentemente, Yasir Qadhi, reitor do Seminário Islâmico da América, no Texas, invocou as raízes igualitárias do Islam. Em um discurso público em 5 de junho, ele disse que os muçulmanos americanos, uma população familiarizada com a discriminação, “deve lutar contra o racismo, seja por meio da educação ou por outros meios”.

Muitos muçulmanos nas Américas estão agindo, apoiando o movimento negro e protestando contra a brutalidade policial e o racismo sistêmico. Suas ações refletem a revolucionária – e ainda não realizada – mensagem igualitária que o profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) estabeleceu há mais de 1.400 anos como a pedra angular da fé muçulmana.

Fonte: theconversation.com

O Islam e o Ser Humano