Um Cristão Perguntou sobre o Arrependimento

Um Cristão Perguntou sobre o Arrependimento

Pergunta: Eu sou um cristão e minha pergunta é a seguinte: Se alguém decide se arrepender depois de uma vida cheia de atos de desobediência e de pecados, e está comprometido com o Senhor a se arrepender, eu sei que o Islam diz que ele receberá o perdão. A minha pergunta é: O que acontece com os pecados que ele cometeu? Ele desobedece a Deus e alguém tem que suportar o castigo por esses pecados? Quem é esse alguém, tendo em vista que o Senhor perdoou o autor do pecado quando este se torna um crente? Temos no caso de Adão que obteve uma punição em consequência de seu pecado.


Resposta:

Louvado seja Allah, que nos guiou ao Islam. Nós não teríamos sido devidamente orientados sem não fosse por Ele. Em primeiro lugar, agradecemos ao questionador e pedimos a Allah que lhe guie.

Questionador, Deus Todo-Poderoso criou-nos para um grande propósito, que é adorá-Lo exclusivamente, sem associar qualquer coisa com ele. Allah diz:

“Não criei os gênios e os humanos, senão para Me adorarem.” (Alcorão 51:56)

O propósito de nossa criação é adorá-Lo exclusivamente. Allah não nos criou somente para nos contentarmos em comer, beber, jogar, trabalhar, cansar. Em vez disso, Ele nos criou para adorá-Lo e para não sermos ingratos com Ele e para que nos lembremos d’Ele e não nos esqueçamos d’Ele. Esse é o objetivo! Que nobre objetivo! O dia em que o homem vive para adorar seu Senhor e Mestre, para servir sua religião e cumprir com suas ordens. Ele está fisicamente na terra, mas o seu coração está com Deus no outro mundo. Eis que ele capta a realidade desta vida, sua mesquinhez e a pouca importância que tem, um estado em que o pouco que lhe resta não deve ser dedicado a amenizar prazeres carnais e passageiros. Senhor! Guia-nos como somente Tu sabes guiar.

A prática da adoração deve ser bem explicada e ensinada, então Deus enviou Seus mensageiros:

“… Foram mensageiros alvissareiros e admoestadores, para que os humanos não tivessem argumento algum ante Deus, depois do envio deles, pois Deus é Poderoso, Prudentíssimo.” (Alcorão 4:165)

Aquele que se converte ao Islam foi bem orientado. Aquele que se desvia terá perdido completamente tudo. Deus Todo-Poderoso disse:

“Já vos chegaram as evidências do vosso Senhor! Quem as observar será em benefício próprio; quem se obstinar (em negá-las) será igualmente em seu prejuízo, e eu não sou vosso guardião.” (Alcorão, 6:104)

O homem que se converte escolheu a felicidade:

“Quanto aqueles que se submetem (à vontade de Deus), buscam a verdadeira conduta.” (Alcorão 72:14)

O homem é falível, esquecido e sempre expostos ao pecado, Allah estabeleceu para Seus servos o arrependimento, como a abertura de uma porta que não será fechada até a vinda da Última Hora. Ele chamou os seus servos para o arrependimento sincero. A este respeito, o Altíssimo, diz:

“Ó crentes, voltai, sinceramente arrependidos a Deus; é possível que o vosso Senhor absolva as vossas faltas e vos introduza em jardins, abaixo dos quais correm os rio” (Alcorão, 66: 8) e disse: “Ó crentes, voltai-vos todos, arrependidos, a Deus, a fim de que vos salveis!” (Alcorão 24:31)

Saiba que os pecados são de duas categorias: a primeira diz respeito aos direitos de Allah Altíssimo; a segunda trata dos direitos das criaturas.

Quanto ao que diz respeito aos direitos de Allah, evitando coisas como a prostituição, o consumo de álcool, o abandono das obrigações relacionadas com o cumprimento da oração, zakat. Se alguém comete pecados que têm sanções previstas pela Sharia, como prostituição e consumo de álcool, e se as sanções são aplicadas ao pecador, ele é então purificado. Se as sanções não são aplicadas e o pecador se arrepende a Allah, Allah o absolve e transforma seus pecados em boas ações. Se um pecador encontrar Allah antes de se arrepender e antes de sofrer as sanções, seu destino, no Dia da Ressurreição, vai depender da vontade de Deus; Ele poderá punir ou poderá perdoá-lo. 

Al-Bukhari (18) e Muslim (1709) narraram de Ubada Ibn Samit, que testemunhou a batalha de Badr e foi um dos batedores da noite de Aqba, que disse que o Mensageiro de Deus ? disse na presença de um grupo de seus companheiros: “Façam-me um juramento de lealdade de não associar nada na adoração de Deus, abster-se do roubo, não matar seus filhos, parar de proferir calúnias e não desobedecer a uma ordem. Qualquer um de vocês que permaneça fiel ao seu compromisso será recompensado por Allah. Quem comete uma violação de seu juramento, e for punido aqui na terra, isto será uma expiação para ele. Quem comete uma violação que permanecerá velada por Deus, seu destino dependerá de Allah; Ele poderia perdoá-lo ou puni-lo.” Nós juramos lealdade a ele tendo isso como base.

A versão de Al-Bukhari (6416) afirma: “Quem comete um ato proibido e sofre a devida penalidade na terra será purificado e terá expiado seu pecado.”

Al-Hafidz disse em al-Fath (1/68): “Deduzimos do hadith que a aplicação de uma penalidade ao pecador apaga o pecado, mesmo sem o arrependimento do infrator, que é a opinião da maioria de estudiosos.”

Ahmad (1365) narrou de Ali ibn Abi Talib que o Mensageiro de Allah ? disse: “Se alguém comete um pecado e sofreu a punição que corresponde ao pecado, Deus será muito justo com ele e não irá duplicar a punição. Se alguém comete um pecado, e Deus o impede de ser levado ao conhecimento do público e o perdoa, Deus é demasiado justo para julgar novamente um pecado que ele já perdoou.” [Este hadith é considerado hasan por al Aranaut em al-Musnad Tahqiqi. Al-Hafihz considerou hasan uma versão similar relatada por al-Tabarani.]

Allah diz:

“Aqueles que não invocam, com Deus, outra divindade, nem matam nenhum ser que Deus proibiu matar, senão legitimamente, nem fornicam (pois sabem que) quem assim proceder, receberão a sua punição. No Dia da Ressurreição ser-lhes-á duplicado o castigo; então, aviltados, se eternizarão (nesse estado). Salvo aqueles que se arrependerem, crerem e praticarem o bem; a estes, Deus computará as más ações como boas, porque Deus é Indulgente, Misericordiosíssimo.” (Alcorão 25:68-70)

O Transcendente disse:

“Deus jamais perdoará quem Lhe atribuir parceiros, conquanto perdoe os outros pecados, a quem Lhe apraz. Quem atribuir parceiros a Deus desviar-se-á profundamente.” (Alcorão 4:116)

Este último versículo se refere a quem não se arrependeu. Seu destino depende da vontade de Deus, desde que não cometa idolatria. Porque o autor da idolatria não será perdoado. 

Em relação à segunda categoria de pecados, o que diz respeito aos direitos dos servos, evitando coisas como furto ou roubo de sua propriedade, o ataque à sua honra através da calúnia ou maledicência, ou agressão física. Esta categoria de pecado exige arrependimento, além de uma compensação por danos ou obter o perdão da vítima. Se vier a falhar nisto, a responsabilidade que decorre do pecado incombe ao pecador até o dia da Ressurreição. Uma parte de suas boas ações serão então subtraídas para reparar a injustiça que ele cometeu. A respeito disto, o Profeta ? disse: “Quem quer que tenha cometido uma injustiça contra alguém, quer se trate de sua honra ou qualquer outra coisa, ele deve então pedir perdão (à vitima da injustiça) antes que chegue um dia onde nem dinar nem dirham (dinheiro) (estão disponíveis). Se o agressor tem boas ações, ser-lhe-á subtraído então uma parte para reparar os danos causados a terceiros. Se ele não tiver boas ações, então será depositado sobre ele a culpa dos delitos de suas vítimas.” (Relatado por al-Bukhari (2317)

Portanto, sabemos que a ideia de que todo o pecador deve ser punido aqui na terra, é uma ideia que não é apoiada por nenhum argumento. Mas, se o pecador está cumprindo uma sentença aqui, esta apaga o pecado. Se ele escapar da punição e se arrepender, Deus aceitará o seu arrependimento.

A mais falsa opinião é a de que a pena de um pecado pode ser aplicada a uma pessoa que não o seja o autor deste pecado. Esta avaliação é feita por alguns ignorantes sobre o caso de Adão (???? ???). Eles afirmam que sua descendência, incluindo profetas, carregam o seu pecado, até ao ponto que Deus teve que enviar o Seu único filho e deixá-lo sacrificar e crucificar para expiar o pecado original! Isso é uma grande mentira contra Deus e Seus profetas. É uma injustiça que transcende as leis de Deus. Deus não cobra de alguém um pecado cometido por outra pessoa. Neste sentido, ele disse:

“E nenhum pecador arcará com culpa alheia; e se uma alma sobrecarregada suplicar a outra a que lhe alivie a carga, esta não lhe será aliviada no mínimo que seja, ainda que por um parente.” (Alcorão, 35:18)

Certamente Allah é Clemente e demasiado justo para punir uma geração devido a um erro cometido por seus antepassados, que, aliás, se arrependeram deste erro e obtiveram o perdão divino. A respeito disto, o Altíssimo, disse:

“Todavia, Satã os seduziu, fazendo com que saíssem do estado (de felicidade) em que se encontravam. Então dissemos: Descei! Sereis inimigos uns dos outros, e, na terra, tereis residência e gozo transitórios. Adão obteve do seu Senhor algumas palavras de inspiração, e Ele o perdoou, porque é o Remissório, o Misericordioso.” (Alcorão, 2:36-37)

O Transcendente disse:

“Ambos (Adão e Eva) comeram. Em seguida, a sua nudez lhes apareceu. Eles começaram a cobrir-se com folhas de Paraíso. Adão desobedeceu a seu Senhor e se extraviaram. Seu Senhor então o elegeu, aceitou o seu arrependimento e o guiou.” (Alcorão, 19:121-122)

Adão reuniu duas coisas: Por um lado, ele sofre a penalidade do pecado, por outro lado, ele se arrependeu e foi perdoado por Deus que, além disso, o elegeu e o honrou.

Em suma, aquele que vive uma vida cheia de atos de desobediência e do pecado, deve retornar ao seu Misericordioso e Generoso Mestre para pedir seu perdão e arrepender-se a Ele. E ele vai obter, de acordo com a promessa feita pelo Transcendente com estas palavras:

“Dize: Ó servos meus, que se excederam contra si próprios, não desespereis da misericórdia de Deus; certamente, Ele perdoa todos os pecados, porque Ele é o Indulgente, o Misericordiosíssimo.” (Alcorão 39:53)

É um alívio que Deus tem feito através desta clemente Sharia. Deus tinha ordenado aos filho de Israel a se matarem como meio de mostrar seu arrependimento. Em seguida, ele alivia esta comunidade do Islam beneficiando-a com a misericórdia em seus fardos e penalidades. 

Finalmente, pedimos a Allah para ajudar o questionador, para o guiar e abrir seu peito para o Islam para que ele se torne um membro desta comunidade muçulmana, que aceitou Allah como Mestre, o Islam como religião e Muhammad como Profeta.

E Deus sabe mais.

Fonte: Islamqa

O Islam e o Ser Humano