Sujud as-Sahw (Prostração do Esquecimento)

Sujud as-Sahw (Prostração do Esquecimento)

Pela misericórdia de Allah para com os Seus servos, como uma das belezas desta religião perfeita, Allah prescreveu que os Seus servos pudessem compensar por falhas e erros que eles fazem na sua adoração, que não podem evitar completamente, fazendo actos nafil (voluntários) de adoração, suplicando por perdão, etc.


Uma das coisas que Allah prescreveu para os Seus servos compensarem por falhas que possam ocorrer na sua oração é a prostração de esquecimento, mas esta é prescrita para compensar só por certas coisas; não compensa por tudo nem é prescrita para tudo.

Foi perguntado ao sheikh Ibn ‘Uthaymin (rahimahullah) sobre as razões para se fazer a prostração de esquecimento, e ele respondeu o seguinte:

“A prostração de esquecimento na oração é geralmente prescrita por três razões:

1- Fazer algo extra;

2- Omitir algo;

3- Tendo incerteza.

Fazer algo extra: por exemplo, fazer um ruku’ (curva), sujud (prostração), ficar de pé ou sentar, a mais.

Omitir algo: como omitir uma parte essencial da oração, ou omitir uma das partes obrigatórias da oração. [Nota da tradutora: Recomendo a leitura do artigo Partes Obrigatórias e Sunnahs da Oração]

Tendo incerteza: como quando uma pessoa não tem certeza de quantos rak’aat rezou, se foram três ou quatro, por exemplo.

No caso de ter feito algo extra, se uma pessoa adiciona algo à sua oração – curva, prostração, ficar de pé ou sentar – voluntariamente, então a sua oração é inválida, porque ela adicionou deliberadamente, isso significa que ela não fez a oração na maneira prescrita por Allah e pelo Seu Mensageiro ?.

O Profeta ? disse: “Quem fizer uma acção que não é parte deste nosso assunto (isto é, o Islam), ser-lhe-á rejeitada”. (Muslim, 1718)

Mas se ela fez essa acção extra sem querer, então a sua oração não é invalidada, mas ela deve fazer a prostração de esquecimento depois do salam.

A evidência para isto é o hadith de Abu Hurairah (radiAllahu ‘anhu) que disse que quando o Profeta ? disse o salam depois de dois rak’aat numa das duas orações de tarde, Dhuhr ou ‘Asr, e eles contaram-lhe sobre isso, ele ? fez o resto da oração, depois disse o salam, e depois prostrou-se duas vezes (a prostração de esquecimento) depois de dizer o salam. (Bukhari, 482; Muslim 573)

E Ibn Mas’ud (radiAllahu ‘anhu) narrou que o Profeta ? guiou-os na oração de Dhuhr e ele rezou cinco rak’aat. Quando ele acabou, foi-lhe dito: “Algo foi adicionado à oração?”. Ele disse: “Porque estais a perguntar isso?”. Eles disseram: “Rezastes cinco (rak’aat)”. Então ele voltou-se para a qiblah e prostrou-se duas vezes. (Bukhari, 4040; Muslim, 572)

No caso de ter omitido algo, se uma pessoa omitir uma das partes essenciais da oração, uma de duas situações pode acontecer:

1 – Ou ele se lembra antes de chegar ao segundo ponto no rak’ah seguinte, então ele tem que ir atrás e fazer essa parte essencial da oração e o que veio depois dela;

2- Ou ele não se lembra antes de chegar ao mesmo ponto no rak’ah seguinte, nesse caso, o rak’ah seguinte torna-se naquele no qual ele omitiu essa parte essencial, e ele deve compensar aí pelo rak’ah inválido.

Em ambos os casos ele deve fazer a prostração de esquecimento depois do salam. Por exemplo:

Um homem levantou-se depois de fazer a primeira prostração do primeiro rak’ah e não se sentou ou fez a segunda prostração. Quando ele começou a recitar o Qur’an, ele lembra-se de que não fez a segunda prostração ou se sentou entre as duas prostrações. Nesse caso, ele deve voltar atrás e sentar-se como se tivesse entre as duas prostrações, depois prostrar-se, depois levantar-se e fazer o que falta da sua oração, e fazer a prostração de esquecimento depois de dizer o salam.

Um exemplo daquele que não se lembrou até depois de chegar ao mesmo ponto no rak’ah seguinte é um homem que se levantou depois da primeira prostração no primeiro rak’ah e não fez uma segunda prostração ou sentou entre as duas prostrações, mas ele não se lembrou disso até se sentar entre as duas prostrações no segundo rak’ah. Neste caso, ele deve fazer o segundo rak’ah como se fosse o primeiro rak’ah, e adicionar outro rak’ah à sua oração, e depois dizer o salam e depois fazer a prostração de esquecimento.

Omitir uma parte obrigatória da oração – se ele omitir uma parte obrigatória e passar para a próxima parte da oração. Por exemplo, ele esquece-se de dizer Subhana Rabbiy al-A’la (Glória ao meu Senhor, Altíssimo) e ele não se lembra até se levantar da prostração. Neste caso ele omitiu uma parte obrigatória da oração sem querer, então ele deve continuar com a sua oração e depois fazer a prostração de esquecimento antes de dizer o salam, porque o Profeta ? omitiu o primeiro tashahhud, continuou com a sua oração e não voltou atrás para repetir o que quer que fosse, depois ele fez a prostração de esquecimento antes de dizer o salam.

No caso de não ter a certeza, se uma pessoa não sabe se ele fez algo extra ou omitiu algo, por exemplo, ele não tem a certeza se rezou três rak’aat ou quatro, uma de duas situações pode acontecer:

1- Ou ele pensa que um ou outro caso é mais provável ser a verdade, sendo fazer algo a mais ou omitindo algo; nesse caso, ele deve proceder com base no que ele pensa ser o mais provável, completar a oração de acordo com isso, e depois fazer a prostração de esquecimento depois de dizer o salam.

2- Ou nenhum deles parece ser mais provável, então ele procede com base no que tem a certeza que fez, nomeadamente, a quantidade mais pequena, e completa a sua oração de acordo com isso, depois deve fazer a prostração de esquecimento antes de dizer o salam.

Por exemplo:

Um homem reza o Dhuhr e depois não tem a certeza se ele está a rezar o terceiro ou o quarto rak’ah, mas ele pensa que é o mais provável ser o terceiro rak’ah. Então ele deve rezar outro rak’ah, depois dizer o salam, e depois fazer a prostração de esquecimento.

Um exemplo de nenhum dos casos lhe parecer mais provável é um homem que está a rezar o Dhuhr e não tem a certeza se está no terceiro ou no quarto rak’ah, e nenhum dos casos lhe parece mais provável que o outro. Neste caso, ele deve proceder com base no que ele tem a certeza que fez, que é a quantidade mais pequena. Então ele deve vê-lo como o terceiro rak’ah, depois fazer outro rak’ah e fazer a prostração de esquecimento antes de dizer o salam.

Então fica claro que isto deve ser feito antes do salam se omitiu uma das partes obrigatórias da oração ou se não tem a certeza de quantos rak’aat fez, e quando uma das duas escolhas não parece ser mais provável que a outra. E deve ser feito depois do salam se adicionou algo extra à oração ou não tem a certeza, mas uma das duas escolhas parece ser mais provável que a outra.” (Majmu’ Fatawa al-Sheikh, 14/14-16)

Fonte: IslamQA

Salah e Tahara