Tipos de Angústia e Preocupação

Tipos de Angústia e Preocupação

A angústia sofrida pelo pregador (da’i) quando convoca as pessoas a seguir a religião

Os Profetas foram as pessoas que mais sofreram neste mundo.


Aisha (que Allah esteja satisfeito com ela) disse a seu sobrinho, Urwah, que perguntou ao Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele): “Sofrestes algum dia mais que em Uhud?” E ele lhe respondeu: “Eu sofri o que sofri nas mãos de seu povo, e o pior que sofri com eles foi no dia da Aqaba, quando havia feito um pedido a Ibn’ Abd Jalail Bin ‘Abd Kalal, e ele não respondeu da forma esperada. Eu o deixei, e mal sabia para onde estava indo, e eu não me dei conta de onde estava até que cheguei Qarn az-Za’álib. Levantei minhas mãos, e vi uma nuvem que estava me fazendo sombra. Eu olhei para ela e vi Gabriel, que me chamou dizendo: “Deus ouviu o que seu povo já disse a você, e o que te responderam. Ele enviou-te o anjo das montanhas, para fazer-te tudo o que pedires.” Então, o Anjo das Montanhas me chamou, saudou-me e disse: “Oh Muhammad, se tu quiseres, esmagá-los-ei entre duas montanhas” Então eu respondi: “Em vez disso, eu espero que Deus permita que descenda deles uma geração que não associe qualquer coisa a Ele”.

O Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) sofreu uma angústia similar quando seu povo descreu dele quando havia retornado de sua Viagem Noturna (Al Isrá). Muslim narrou que Abu Hurairah, que Allah tenha misericórdia dele, disse que o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: “Encontrei a mim mesmo em Hijr (de Makkah, próximo ao templo), e os quraish estavam perguntando-me sobre minha viagem noturna, perguntas sobre o  templo sagrado de Jerusalém (Bait al Maqdis), sobre as quais eu não estava totalmente seguro. Senti-me angustiado e ansioso como nunca antes havia me sentido, e então, Allah a elevou para mim de tal forma que pude ver o que eles estavam me perguntando, e consegui responder a todas aquelas perguntas…”

 A angústia sofrida sobre os atos de culto

O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) estava muito preocupado sobre como informar às pessoas acerca da oração.

Abu Umair Bin Annas relatou de seu tio paterno entre os Ansar que, o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) estava preocupado sobre como convocar as pessoas a se reunirem para as orações. Alguém sugeriu que hasteassem uma bandeira, para que as pessoas pudessem vê-la e avisassem umas às outras, mas esta ideia não lhe agradou. Outra sugestão foi a de tocar um berrante (chifre de carneiro) como os judeus o faziam (al shofar), mas o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: “isso pertence aos judeus”. Alguém sugeriu, então, um sino, mas, de novo, ele disse: “isso pertence aos cristãos”. Abdullah Bin Zaid Bin Abdur Rabbihi (que Allah esteja satisfeito com ele) deixou a reunião, preocupado com o mesmo assunto e foi-lhe revelado em um sonho o chamado para a oração. Na manhã seguinte foi visitar o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e lhe contou sobre o sonho: “Óh Mensageiro de Allah! Enquanto estava adormecido alguém veio a mim e me mostrou o chamado para a oração…”.

 A ansiedade enfrentada pela pessoa veraz quando é duvidada

Isso aconteceu ao companheiro Zaid Bin al Arqam (que Allah esteja satisfeito com ele) quando ouviu o chefe dos hipócritas dizer aos seus colegas: “Quando voltarmos a Madinah, quem tiver orgulho e poder expulsará o humilhado.” (significando: “quem tiver orgulho e poder” seria ele mesmo, e pelo “humilhado” referia-se ao Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e aos que o acompanhavam). O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) mandou chamarem Abdullah Bin Ubai, chefe dos hipócritas, que jurou jamais ter dito isso. Então, o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) creu nele e não em Zaid. Zaid então disse: “Meu tio chegou e me repreendeu: ‘Tudo o que desejas é que o Mensageiro de Allah e os muçulmanos descreiam de ti”, então eu me senti terrivelmente angustiado e ansioso, como nunca antes havia sofrido. Quando estava em viagem com o Mensageiro de Alah ? minha cabeça pendia de cansaço e preocupação. Foi aí que o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) aproximou-se de mim e tocou minha orelha, sorrindo. Eu me senti tão feliz, de tal forma que não trocaria aquele momento por uma imortalidade neste mundo. Abu Bakr (que Allah esteja satisfeito com ele) perguntou o que havia se passado comigo, o que me havia dito o Mensageiro de Allah, saws. Respondi: “não me disse nada, somente tocou minha orelha e sorriu”. Disse-me: “melhoras!”. Então, Umar (que Allah esteja satisfeito com ele) me perguntou a mesma coisa e repeti a resposta que havia dado a Abu Bakr. Na manhã seguinte, o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) recitou-nos o capítulo (recentemente revelado) dos hipócritas.”

De acordo com uma narração de Muslim, que conta a mesma história, Zaid disse: “Fui ter com o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e lhe contei sobre isso. Ele mandou chamar Abdullah Bin Ubai e lhe perguntou, mas ele insistiu e jurou que não havia dito tal coisa, dizendo “Zaid está dizendo mentiras ao Mensageiro de Allah”. Eu me senti muito mal pelo que dizia, até que Allah revelou as palavras que confirmavam a verdade:

“Quando os hipócritas se apresentam a ti, dizem: Reconhecemos que tu és o Mensageiro de Deus. Porém, Deus bem sabeque tu és o Seu Mensageiro e atesta que os hipócritas são mentirosos..” [Al Munafiqun, 63:1]”

 A ansiedade sofrida pela pessoa inocente quando são feitas acusações falsas contra ela

Um exemplo disso é o que aconteceu a ‘A’isha (que Allah esteja satisfeito com ela) quando um hipócrita a acusou de um pecado durante a caravana a Muraisi. Ela estava doente e quando ouviu sobre os rumores de uma das mulheres de sua casa, pos-se ainda mais doente e se sentiu muito angustiada. Ela relatou: “Disse: ‘Por Allah! As pessoas estão falando isso?’, e chorei toda a noite, até de manhã, e não consegui dormir. Minhas lágrimas não paravam de cair. Então, chorei durante o dia todo e tampouco pude dormir, havia chorado por um dia e duas noites sem parar. Eles pensaram que chorar desta forma me mataria. Enquanto estavam comigo e eu estava chorando, uma mulher dos Ansar pediu permissão para me ver. Eu lhe dei permissão, ela se sentou e chorou comigo. Estávamos assim, sentadas, e o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) entrou, saudamo-nos e ele se sentou. Ele não havia voltado a visitar-me desde que os rumores haviam começado, e durante um mês não havia nenhuma revelação sobre minha situação. Enquanto estava ali, sentado, o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) recitou o testemunho de fé e disse: ‘Aisha, tenho ouvido tal e tal coisa sobre ti. Se és inocente, Allah provará tua inocência; e se tens cometido um pecado, então, pede-Lhe perdão e arrependa-te, Allah aceita seu arrependimento’. Quando o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) havia terminado de dizer isso, minhas lágrimas pararam completamente, e disse ao meu pai: ‘Responde ao que o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse’. Ele retrucou: ‘Por Allah! Não sei o que deveria dizer ao Mensageiro de Allah’. Eu disse: “Sou uma jovem e não conheço muito do Quran, mas, por Allah, que não tenho nada mais para dizer exceto as palavras do pai de Yussuf:

“Porém, resignar-me-ei pacientemente, pois Allah me confortará, em relação ao que me anunciais.” [Yussuf, 12:18]

Então, afastei-me e recostei em minha cama. Logo Allah revelou:

“Aqueles que lançam a calúnia, constituem uma legião entre vós; não considereis isso coisa ruim para vós; pelo contrário,é até bom. Cada um deles receberá o castigo merecido por seu delito, e quem os liderar sofrerá um severo castigo.” [An-Nur, 24:11]

Antes do tempo de ‘A’isha (que Allah esteja satisfeito com ela) Mariam (a filha de Imran, mãe de ‘Issa (???? ???) – Jesus), havia sofrido muitíssima angústia e ansiedade porque havia engravidado sem estar casada. Sua angústia chegou a tal extremo que ela disse:

“Quem me dera eu tivesse morrido antes disto, ficando completamente esquecida.” [Mariam, 19:23].

Ela falou assim porque sabia que as pessoas a acusariam e não creriam quando chegasse a elas com um filho em seus braços, pois ela havia sido uma das adoradoras devotas que vivia em reclusão e provinha de uma família muito religiosa, descendente de profetas. Por causa de tudo isso, ela sofreu tal pena e angústia que desejou haver morrido antes que isso acontecesse, ou haver sido abandonada e esquecida, em outras palavras, não haver existido.

Outro exemplo é a história da mulher que foi acusada injustamente. ‘A’isha (que Allah esteja satisfeito com ela) contou sua história: “Uma mulher negra que era escrava dos árabes se converteu ao Islam. Ela tinha um cubículo na mesquita. Costuma vir e conversar conosco e quando estava para sair, dizia: ‘o dia do wisha (um tipo de adorno feminino) foi uma das maravilhas de Allah. Certamente, foi Ele quem me salvou da terra dos incrédulos’. Quando ela havia repetido isso várias vezes, eu lhe perguntei: ‘qual foi o dia de wisha?’. Ela respondeu: ‘Saí, quando era uma escrava, vestindo um cinto de couro. Eu parei, e um falcão me atacou, achando que aquilo era um pedaço de carne. Acusaram-me de o haver roubado e começaram a me punir, a tal ponto que até mesmo fiscalizaram minhas partes íntimas. Enquanto eles me cercavam e eu estava naquele estado de aflição, o falcão voou sobre nossas cabeças e, em seguida, soltou o cinto. Eles o pegaram e eu disse: é disso que eles me acusaram, e eu era inocente!’.”

 A preocupação de um homem acerca do que pode acontecer à sua esposa ou filhos depois de sua morte

‘A’isha (que Allah esteja satisfeito com ela) narrou que o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) costumava dizer: “Uma das coisas que mais me preocupam é o que acontecerá convosco (suas esposas) depois de minha morte, porque ninguém será capaz de cuidar de vós apropriadamente, exceto aqueles que são verdadeiramente pacientes”.

 A ansiedade por causa de um empréstimo

Um exemplo disso é o que houve com Az Zubair (que Allah esteja satisfeito com ele) cuja história foi relatada por seu filho, Abdullah Bin Zubair: “Quando az Zubair se apresentou para lutar na batalha do camelo, chamou-me, então eu fui e parei ao seu lado. Disse-me: ‘Meu filho, ninguém será morto hoje, exceto o malfeitor ou aquele contra quem uma injustiça foi cometida. Eu posso ver que vou morrer hoje como alguém que foi injustiçado. Minha maior preocupação são minhas dívidas, você acha que algumas de nossas riquezas serão suficientes para quitá-las? Óh, meu filho, venda nossa propriedade e pague as nossas dívidas’. Ele começou a me aconselhar sobre o que fazer com essas dívidas. Ele disse: ‘Filho, se você é incapaz de pagar as nossas dívidas, procura ajuda de meu protetor’. E, por Allah, eu não entendi o que ele quis dizer até que eu perguntei: ‘Óh, pai, quem é o seu protetor?’. Ele respondeu: ‘Allah’. Por Allah, sempre que me sinto angustiado pela dificuldade em pagar dívidas, rezo, dizendo: ‘Óh, Protetor de Az-Zubair, pague as dívidas’, e Allah as paga… Eu calculei quanto possuía, e descobri que eles eram dois milhões e duzentos mil… (alguns dos amigos de Az-Zubair não achavam que era possível pagar uma dívida tão grande, mas Allah abençoou grandemente uma parte das terras pertencentes à Az-Zubair, e foi surpreendente, quando foram divididas e vendidas, não somente foi o suficiente para pagar as dívidas, mas ainda havia algo sobrando). Az-Zubair teve quatro esposas: um terço de sua riqueza foi separada para elas, e cada uma de suas esposas herdou um milhão e duzentos mil. A soma total de sua fortuna era de cinquenta milhões e duzentos mil.”

 A ansiedade por causa dos sonhos

Isso ocorreu com o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) que disse: “Enquanto dormia, os tesouros da terra me foram trazidos e dois braceletes de ouro foram colocados em meus braços. Isso me angustiou, mas Allah me revelou que eu deveria soprá-los e desapareceriam, então assim o fiz, e sumiram. Eu os interpretei como dois mentirosos aos quais estava enfrentando, o de Sana’a e o de al Jamahah.”

Ibn Umar (que Allah esteja satisfeito com ele) também se sentiu angustiado por causa de um sonho que teve. Ele nos disse: “Alguns homens entre os companheiros do Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) costumavam sonhar nos tempos do Mensageiro de Allah. Eles contavam seus sonhos e o Mensageiro ? dizia “Allah quis assim…”. Eu era muito jovem e então costumava viver na mesquita antes de me casar. Um dia pensei: ‘Se houvesse algum bem em mim, haveria tido algum sonho como esta gente teve’. E quando fui dormir esta mesma noite, disse: ‘Óh Allah, se vês algum bem em mim, então deixa-me ver um sonho’. Então, dois anjos apareceram, cada um sustentando um cinturão de ferro em suas mãos. Eles me arrastaram ao inferno e eu estava rezando: ‘Óh Allah, busco refúgio em Ti do Inferno’. Então, sonhei que me encontrava com outro anjo segurando um cinturão de ferro em suas mãos e ele me disse: ‘Não te preocupes, és um bom homem. Somente rezes um pouco mais…’. Eles me levaram ao inferno e havia uma fonte de chifres; entre dois chifres havia um anjo segurando um cinturão de ferro. Vi nele alguns homens suspensos de cabeça para baixo por correntes, e reconheci sendo alguns dos homens da tribo de Quraish. Então os anjos trouxeram-me para a direita. Eu contei à Hafsah sobre isso, e Hafsah relatou que viu o Mensageiro de Allah, saws – de acordo com outro relato de Muslim: ‘Quando eu acordei, me senti preocupado e assustado com o que eu tinha visto, então eu perguntei Hafsah sobre isso’, e ele disse: ‘É bom que você tenha visto’, disse-lhe: ‘Pergunte ao Mensageiro de Allah (que a paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele) sobre isso’; ele, então, perguntou. E o Mensageiro de Deus (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: ‘Abdullah é um homem honesto, mesmo que não reze muito à noite…’ Naafi’ disse: ‘Depois disso, ele sempre orava muito’.”

O Islam prescreveu diversas formas de tratar a angústia causada pelos pesadelos ou sonhos maus.

Sem dúvidas, a primeira coisa que devemos mencionar quando discutimos a ansiedade e as preocupações é a crença relativa à fé, e os efeitos que têm sobre nossa mentalidade. Pode-se ver muitos dos incrédulos e dos muçulmanos cuja fé é frágil, sofrendo por depressão profunda e chegando ao ponto de suicidar-se, numa tentativa desesperada de livrar-se da depressão ou frustração e o desespero que sofrem quando entram em problemas ou quando lhes ocorre uma calamidade. Os hospitais estão cheios de pacientes que tentaram suicidar-se ou que têm sofrido crises nervosas ou outra sorte de traumas psicológicos. Estes problemas afetam muitas pessoas fortes, sem mencionar o tanto que afeta os mais frágeis. Às vezes conduzem à incapacidade da pessoa e à perda da sanidade.

A pessoa que foi guiada ao Islam, se sua crença está sã e sua fé é forte, encontrará a cura proveniente de Allah, O Onisciente, Sapientíssimo, Quem criou todas as coisas e conhece melhor o que mais convém à Sua criação.

“Como não haveria de conhecê-las (toda a Sua criação) o Criador, sendo Ele o Onisciente, o Sutilíssimo?” [Al Mulk, 67:14]

Fonte: Trecho retirado do Livro “Como Superar a Ansiedade e a Angústia”, Shaikh Munajjid

Sobre o Coração