Nuh (que a paz esteja sobre ele)

Nuh (que a paz esteja sobre ele)

O profeta Nuh (Noé) é um dos principais profetas no Islam, bem como no Cristianismo e Judaísmo. O período de tempo exato em que Nuh viveu é desconhecido, mas de acordo com algumas fontes, estima-se que foi no período de dez gerações após Adão, que a paz esteja sobre ele. É relatado que Nuh viveu até os 950 anos

“E, com efeito, enviamos Noé a seu povo, e permaneceu, entre eles, um milênio menos cinqüenta anos. E desmentiram-no. Então, o dilúvio apanhou-os, enquanto injustos. “ (Surah al-Ankabut, 29:14).

Acredita-se que Nuh e seu povo viveram na parte norte da antiga Mesopotâmia – uma área árida, a várias centenas de quilômetros do mar. O Alcorão menciona que a arca pousou no ‘Monte Judi’, que muitos muçulmanos acreditam estar na atual Turquia. Nuh era casado e tinha quatro filhos.

“E foi dito: “Ó terra! Engole tua água” e “Ó céu! Detém-te”. E a água diminuiu e a ordem foi encerrada, e ele se instalou em Al Judy. E foi dito: “Para trás! Para o povo injusto!” (Surah Hud, 11:44)


Sumário:

Costumes do seu Povo
A Missão de Nuh
Nuh (que a paz esteja sobre ele) no Alcorão
O chamado de Nuh
Nuh lembra seu povo das evidências para a Unicidade de Allah
Nuh invoca Allah contra os Incrédulos
O dilúvio foi um evento global?


Costumes do seu Povo

O Profeta Nuh vivia entre pessoas que adoravam ídolos de pedra, chamados Wadd, Suwa’, Yaguth, Ya’uq e Nasr, e eram parte de uma sociedade perversa e corrupta. Esses ídolos receberam o nome de pessoas boas que viviam entre eles, mas à medida que o tempo passou, as pessoas se desviaram e, gradualmente, transformaram aquelas pessoas em objetos de adoração idólatra.

“E disseram: ‘Não deixeis vossos deuses e não deixeis Wadd nem Swa nem Yaghuth nem Yauq nem Nasr!’” (Surah Nuh, 71:23)

A Missão de Nuh

Nuh (que a paz esteja sobre ele) foi chamado como um profeta para seu povo, compartilhando a mensagem universal do Tawhid: a crença em Deus Único e Verdadeiro (Allah), e obediência às orientações de Allah. Ele exortou seu povo a abandonar a adoração dos ídolos e incentivou o bem e proibiu o mal. Nuh pregou essa mensagem com paciência e bondade por toda a sua vida.

Como era comum para muitos de Profetas de Allah, as pessoas rejeitaram a mensagem de Nuh e o ridicularizaram como um mentiroso e lunático. Foi descrito no Alcorão como as pessoas tapavam seus ouvidos para não ouvir a voz de Nuh, e quando ele continua a pregar usando a linguagem de sinais, elas se cobriam com suas roupas para nem mesmo vê-lo. A única preocupação de Nuh, entretanto, era ajudar as pessoas e cumprir com sua responsabilidade, por isso ele perseverou.

Sob essas provações, Nuh pediu ajuda a Allah, já que mesmo depois de muitos anos de sua pregação, o povo havia caído ainda mais na incredulidade. Allah disse a Nuh que o povo havia transgredido seus limites e seria punido como exemplo para as gerações futuras. Allah, louvado e exaltado seja, inspirou Nuh a construir uma arca, e ele completou esta tarefa apesar das grandes dificuldades. Embora Nuh tenha alertado o povo sobre a ira vindoura, este zombou dele por embarcar em uma tarefa tão desnecessária e exaustiva.
Depois que a arca foi concluída, Nuh a encheu com casais de criaturas vivas e ele e seus seguidores embarcaram. Logo, a terra ficou encharcada de chuva e uma inundação destruiu absolutamente tudo. Nuh e seus seguidores estavam seguros na arca, mas um de seus próprios filhos e sua esposa estavam entre os incrédulos destruídos, ensinando-nos que é a fé, não o sangue, que nos une.

“E, com efeito, descaminharam a muitos. E não acrescentes aos injustos senão descaminho! Por causa de seus erros, foram afogados, então, fizeram-nos entrar no Fogo: e não encontraram, para eles, além de Allah, socorredores.” (Surah Nuh, 71:24-25)

Nuh (que a paz esteja sobre ele) no Alcorão

Foi revelado em Makkah um capítulo dedicado à história da admoestação do Profeta Nuh a seu povo e contém 28 versículos. Allah, louvado seja, nos conta a história de Nuh, cuja paciência foi testada a um limite extraordinário e, ainda assim, ele se manteve firme em sua convicção e continuou a trabalhar por Allah até o fim.

O chamado de Nuh

Nuh talvez seja o primeiro profeta depois de Adam (que a paz esteja sobre ambos). A mensagem que trouxe ao povo corrupto daqueles dias está colocada aqui em três palavras:

• Adoração
• Temor a Deus
• Obediência ao profeta

Ou seja, adorar somente a Allah e renunciar a todas as falsas deidades, levando uma vida com taqwah no coração e considerando o profeta de Allah um exemplo a ser seguido em todos os assuntos. A religião não pode ser completa se qualquer uma das coisas acima estiver faltando. Entender prontamente a adoração a Allah e seguir o caminho do profeta, mas qual a importância de “temer a Allah (taqwah)?” De fato, é a consciência de que Allah nos observa que nos faz levar uma vida limpa. Portanto, uma pessoa consciente de Allah estará constantemente alerta sobre todas as suas palavras, ações e pensamentos e se empenhará em direção à sinceridade e pureza em todos os momentos.

Nuh alertou seu povo antes que uma punição dolorosa viesse. Pediu a eles que servissem a Allah, tivessem consciência d’Ele e O obedecessem. Prometeu que Allah perdoaria os pecados deles e lhes daria alívio até um tempo pré-fixado, porque quando o tempo determinado chegasse, este não poderia ser adiado. Chamou seu povo noite e dia, mas quanto mais chamava, mais o povo se afastava. Toda vez que chamava as pessoas para que Ele as pudesse perdoar, tapavam os ouvidos, cobriam suas cabeças, persistiam na rejeição e ficavam mais arrogantes. Pregava para elas em público e privado, pedia que buscassem o perdão de seu Senhor, lembrava-lhes de que Ele é perdoador, dizia que Ele enviaria chuva, lhes daria riqueza e filhos e os proveria com jardins e rios. Não poupou esforços para trazer seu povo para o caminho certo, mas seu povo não estava pronto para aceitá-lo. Pode-se pensar que tal mensagem verdadeira e completa seria instantaneamente apreciada e aceita, mas os humanos geralmente não gostam de qualquer aviso que dificulte suas atitudes egoístas e negligentes em relação à vida.

Nuh lembra seu povo das evidências para a Unicidade de Allah

“‘Não vistes como Allah criou sete céus superpostos, ‘E, neles, fez a lua como luz e fez o sol como luzeiro? ‘E Allah fez-vos germinar da terra, como as plantas; ‘Em seguida, far-vos-á voltar a ela, e dela far-vos-á sair, de verdade. ‘E Allah fez-vos a terra estendida como tapete, ‘Para que por ela possais ir, por caminhos, em amplos desfiladeiros.’ Noé disse: “Senhor meu! Por certo eles me desobedeceram e seguiram aquele, cujas riquezas e filhos não lhe acrescentaram senão perdição. E eles usaram de grandes estratagemas, E disseram: ‘Não deixeis vossos deuses e não deixeis Wadd nem Swa nem Yaghuth nem Yauq nem Nasr!’ E, com efeito, descaminharam a muitos. E não acrescentes aos injustos senão descaminho! Por causa de seus erros, foram afogados, então, fizeram-nos entrar no Fogo: e não encontraram, para eles, além de Allah, socorredores.” (Nuh, 71:15-25)

O povo de Nuh aceitava Allah, mas a consciência da majestade d’Ele não tinha se enraizado como deveria. O fato é que essa aceitação da grandeza de Allah é o padrão real de adoração a Ele. Aquele cujo coração não está imerso na grandeza de Allah não é um verdadeiro crente. Allah pergunta se já nos questionamos como Ele criou os sete céus, um acima do outro, colocou a lua como uma luz para iluminá-los e o sol como uma lâmpada; como nos retornará para a terra e então nos trará de volta novamente e como espalhou a Terra para andarmos em seus caminhos espaçosos.
Nuh se queixou a Allah que o povo o desobedeceu e seguiu aqueles cujas riquezas e filhos só aumentavam suas ruínas. O povo negou os apelos de Nuh porque pensava que, comparadas com aquelas palavras, as declarações daqueles que tinham alcançado um status mais elevado, do ponto de vista mundano, valiam mais a pena serem consideradas. Então, os mais importantes socialmente rejeitaram o chamado para a verdade e os mais fracos a rejeitaram porque os mais importantes o fizeram!

Os oponentes de Nuh elaboraram muitos esquemas contra ele. Um deles foi espalhar um boato que ele era contra as pessoas ilustres do passado. Fizeram um grande estratagema para não renunciarem a seus deuses. Todos aqueles “deuses” haviam sido homens de grande piedade na antiguidade e que gradualmente foram santificados. Foi fácil jogar as pessoas contra Nuh em nome desses homens. Por fim, Nuh suplicou a Allah para que trouxesse a destruição para os malfeitores!

Nuh invoca Allah contra os Incrédulos

“E Noé disse: “Senhor meu! Não deixes, sobre a terra, nenhum dos renegadores da Fé. Por certo, se os deixas, descaminharão Teus servos e não procriarão senão ímpios, ingratos. Senhor meu! Perdoa-me e a meus pais e a quem entrar em minha casa, sendo crente, e aos crentes e às crentes. E não acrescentes aos injustos senão perdição!” (Surah Nuh, 71:26-28)

Nuh suplicou a Allah para que não deixasse nenhum dos incrédulos sobre a terra, já que eles desviariam Seus servos e gerariam somente pecadores e incrédulos. Nuh também pediu por perdão para si mesmo, seus pais e quem quer que entrasse em sua casa como crente. A oração de Nuh se estendia a todos os crentes, pedindo perdão para eles também!

Pela oração de Nuh parece que, em sua própria época, o mal tinha alcançado seu limite final. Crenças e pensamentos desviados tinham se tornado tão predominantes na sociedade que qualquer criança educada nessa sociedade teria se desviado. Quando esse estágio foi alcançado o povo de Nuh foi destinado a enfrentar nada menos que a destruição através do dilúvio. Foram afogados e enviados para o Inferno pelo que fizeram. Não encontraram ninguém para lhes ajudar contra o castigo de Allah.

O dilúvio foi um evento global?

O dilúvio que destruiu o povo de Nuh é descrito no Alcorão como uma punição para as pessoas que não acreditaram em Allah e na mensagem trazida pelo Profeta Nuh. Tem havido algum debate sobre se este foi um evento global ou isolado. De acordo com os ensinamentos islâmicos, o dilúvio foi planejado como uma lição e punição para um único grupo de pessoas ímpias e incrédulas, e não é considerado um evento global, como acreditam outras religiões. No entanto, muitos estudiosos muçulmanos antigos interpretaram os versículos do Alcorão como uma descrição de um dilúvio global, que os cientistas modernos teorizam ser impossível de acordo com o registro arqueológico e fóssil. Outros estudiosos afirmam que o impacto geográfico da enchente é desconhecido e pode ter sido local. E Allah sabe melhor.

Fontes: Prophet Nuh e Islam Religion

Leia também os artigos sobre: Adam e Idris

Uncategorized Histórias de Profetas e Mensageiros