“Não sabes o que está no meu coração”, “Quem és tu para me julgares?”

“Não sabes o que está no meu coração”, “Quem és tu para me julgares?”

(Pergunta direccionada ao Sheikh Ahmad Bazmul em Makkah na 9ª noite de Jumaad ath-Thani 1433H correspondente a 30 de Abril de 2012)


Pergunta: Se uma pessoa proíbe alguém de fazer um mal, aquele a quem é proibido de fazer este mal diz “Não sabes o que está no meu coração”, ou diz “Quem és tu para me julgares?”. Então o que dizemos quanto a isto?

Resposta:

“Em Nome de Allah, todos os louvores são para Allah, e que a paz e saudações estejam sobre aquele (Muhammad) enviado como misericórdia para toda a humanidade e sobre a sua família e todos os seus companheiros.

Seguindo: Então antes de responder a esta questão, eu gostaria de dizer algo em relação à sua afirmação anterior quando disse: “O nobre Sheikh Ahmad Ibn ‘Umar Bazmul.”. Eu sou – e que Allah te recompense – um estudante do conhecimento, e eu não estou entre os ranks dos grandes estudiosos. No entanto, isto é dos seus bons pensamentos (em relação a mim), e em relação ao que foi dito, eu gostaria que os nossos irmãos aprendessem em Makkah, America e em todos os outros lugares tenham atenção ao assunto de pôr as pessoas nos lugares respectivos, pois não devem tratar os estudantes de conhecimento como se estes estivessem ao nível dos estudiosos. Então eu sou um estudante de conhecimento, e peço a Allah – Todo-Poderoso e Majestoso – que me ajude a responder aquilo que me perguntou.

Então digo – que Allah o abençoe – que a esta pessoa que diz este tipo de coisas, dizemos que ele está em erro, porque o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse:

“Quem entre vós vir um mal então que ele o mude com as suas mãos, se ele não for capaz, então com a sua língua e se ele não for capaz, então com o seu coração, e essa é a fé menor.” [Muslim]

O ponto a que nos referimos neste hadith é a declaração do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) “Quem vir”. Então, o mal que é visto com os olhos tem que ser parado com a mão, e isto se uma pessoa tem autoridade e a capacidade de o fazer. Se ele não é capaz de o parar com a mão, fá-lo com a sua língua. Assim, ele deve dizer para a pessoa “isto é um erro”, “isto é haram”, “isto é em oposição à verdade”, etc. Esta é a primeira coisa.

A segunda coisa é a afirmação desta pessoa ” Não sabes o que está no meu coração”, então dizemos apenas como Hassan al-Basri (que Allah esteja satisfeito com ele) disse:

“Imaan (fé) não é decoração exterior, nem mera esperança. Pelo contrário, é o que se instala no coração e que é afirmado pelas acções. Quem falou o bem e fez acções justas, ser-lhe-á aceite. Mas quem falou o bem, mas fez acções perversas, não lhe será aceite.”

Então, se tem dentro de si algo que é bom, mas a sua acção é errada, é uma obrigação que este erro seja contrariado pela fala.

Em seguida, e em terceiro lugar, dizemos a essas pessoas: não fomos ordenados a olhar para o que está nos corações das pessoas. Nós não fomos ordenados a perguntar às pessoas, está isto ou aquilo no seu coração? No entanto, o erro claro que foi feito é rejeitado e esclarecido.

O assunto final é lembrarmo-nos do hadith do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) no qual ele disse:

“Em verdade, o discurso mais detestado para Allah, o Poderoso e Majestoso, é que um homem diga a outro homem ‘tema a Allah’, e o (outro) homem diz: ‘Deixe-me'”. [Noutra narração, ele diz: “Preocupe-se consigo mesmo”, Al-Albaani autenticou em Silsilatul-Ahaadithis-Sahihah (2598)]

O que se entende por esta afirmação é que ele está a pedir à pessoa para não desaprovar o que ele faz. Então eu temo que esta declaração (mencionada na pergunta) cai sob esse hadith, assim ele vai estar a tentar rejeitar aqueles que comandam o bem e proíbem o mal. E é obrigatório para o muçulmano que teme a Allah, se um mal que ele cometeu é refutado, que se lembre e leve a advertência, e que ele deixe esse mal, e pare completamente.”

Sobre o Coração