A Música no Islam

Música no Islam

A música tem sido condenada fortemente no Qur'an e na Sunnah.

Na Surah Luqmaan, Allah (subhanahu wa ta'la) diz:

“E, dentre os homens, há quem compre falsas narrativas, para, sem ciência, descaminhar os outros do caminho de Allah...” [Qur'an 31:6]

Sobre o comentário deste verso, Ibn Baaz (rahimahullah) disse: “'Falsas narrativas' refere-se à música e coisas relacionadas com ela”. [Durrul Manthoor vol.5, pg. 307]

Na Surah Al-Isra', Allah (subhanahu wa ta'la) diz:

“E provoca/seduz, com a tua voz, aqueles que puderes, dentre eles; aturde-os com a tua cavalaria e infantaria; associa-te a eles nos bens e nos filhos, e faze-lhes promessas! Qual! Satanás nada lhes promete, além de quimeras”. [Qur'an 17:64]

 A frase: “E provoca/seduz, com a tua voz, aqueles que puderes...” foi comentada pelo Imam Mujahid que disse: “A voz refere-se a música”. [Ruhul Maani]

A proibição da música é vista em muitos ahadith autênticos

Narrou Abu Malik Al-Ashari: O Mensageiro de Allah, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, disse: “Algumas pessoas da minha Ummah beberão vinho, chamando-o por outro nome, alegria será feita para eles através do toque de instrumentos musicais e o canto de mulheres. Allah fenderá a terra debaixo deles e transformará os outros em macacos e suínos”. [Ibn Ma'jah, vol. 5 Hadith nº 4020]

Narrou Abu Amir ou Abu Al Malik Ashari que ele ouviu o Profeta, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, dizer: "Dentre os meus seguidores, haverá algumas pessoas que considerarão relações sexuais ilícitas (zina), o uso de seda, o consumo de bebidas alcoólicas e a utilização de instrumentos musicais, como halaal (lícitos). E haverá algumas pessoas que ficarão perto da encosta de uma montanha e à noite o seu pastor virá com as suas ovelhas e pedir-lhes-á algo, mas elas dirão: 'Retorna amanhã'. Deus destruí-las-á durante a noite e deixará a montanha cair sobre elas, e Ele transformará o resto delas em macacos e porcos e assim permanecerá até ao Dia da Ressurreição”. [Sahih Al-Bukhari, Hadith nº 5590]

O Profeta, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, ainda menciona: “A música alimenta hipocrisia no coração tal como água faz crescer a colheita”. [Bayhaqi, vol. 10, pg.222]

No entanto, existem alguns ahadith que indicam que é permitido bater o "daff"

O daff é uma espécie de pandeireta que é aberta de um lado e coberta pelo outro, sem sinos de metal à volta.

Narrado por Urwa sob a autoridade de 'Aisha: "Nos dias de Mina, (11, 12 e 13 de Dhul-Hijjah) Abu Bakr veio até ela, enquanto duas jovens estavam a bater a pandeireta (daff) e o Profeta, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, estava deitado coberto com as suas roupas. Abu Bakr repreendeu-as. O Profeta ? descobriu o rosto e disse a Abu Bakr, 'Deixa-as, porque estes dias são os dias do 'Eid e os dias de Mina'”. [Sahih Al-Bukhari, Vol.2, hadith nº 987]

Narrado por Ar-Rabi (filha de bin Muawwidh Afra): "Após a consumação do meu casamento, o Profeta ? veio e sentou na minha cama tão longe de mim, como você está sentado agora, e as nossas meninas começaram a bater as pandeiretas (daff) e a recitar versos elegíacos de luto pelo meu pai, que tinha sido morto na batalha de Badr. Uma delas disse: "Entre nós há um profeta ? que sabe o que vai acontecer amanhã." Quando o Profeta, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, ouviu este verso, ele disse: 'Deixem este (verso) e continuem a dizer os versos que tinham dito antes.'" [Sahih Al-Bukhari, vol.7, hadith nº 5147]

Portanto a partir das evidências acima, conclui-se que o uso de instrumentos musicais em geral é proibido no Islam, com a excepção do "daff" (e este só em ocasiões especiais como 'Eids e casamentos, como mencionado nas evidências acima). Além disso, cantar sem música, é admissível desde que a música não contenha nada anti-islâmico na mesma. Por exemplo, não deve ser um tema que normalmente é tocado com música, não deve haver qualquer conteúdo imoral na canção. Poesia (She'r) e Nazms (canções) são destinadas a refrescar o Imaan de uma pessoa e a aumentar o seu amor pelo Islam, Allah e pelo Seu Mensageiro, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele.

Não há QUALQUER diferença de opinião entre os 4 Imams sobre este assunto

Sheikh Al-Islam Ibn Taymiyah disse:

“Quem toca esses instrumentos como uma forma de culto é, sem dúvida, desviado e ignorante. Mas se ele faz isso como uma forma de entretenimento, a opinião dos quatro Imams é que todos os instrumentos musicais são haraam. É provado em Sahih al-Bukhari e em outros lugares que o Profeta, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, disse que haveria entre a sua ummah aqueles que considerariam zina, a seda, o álcool e os instrumentos musicais como halaal, e ele disse que eles seriam transformados em macacos e porcos.” [Majmoo' Al-Fataawa (11/576, 577)]

A música destrói o coração e distrai as pessoas da verdade; gera hipocrisia no coração. Não pode acalmar os nervos ou ser um remédio.

Sheikh Abd Al-Aziz Ibn Baaz disse:

“Música e outros tipos de entretenimento são todos maus, mas são coisas que o Shaytan faz aparecer atraente e agradável, e ele chama as pessoas para elas, a fim de distraí-las da verdade através da mentira, e para que ele possa levá-las do que Deus ama, para o que Deus odeia e decretou haraam. A música, o 'ud (uma espécie de instrumento de cordas) e todos os instrumentos musicais são um mal e não é permissível ouvi-los. É narrado num relatório sahih que o Mensageiro de Allah, que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele, disse: 'Haverá pessoas entre a minha ummah que considerarão como permissível (halaal) zina, seda, álcool e instrumentos musicais'.” [Majmoo' Fataawa Al-Sheikh Ibn Baaz (3/346)]

O Sheikh também disse:

“No que toca a usar música como um remédio, não há nenhuma evidência sobre isto, é o trabalho de ignorantes. A música não é um remédio, é uma doença. É um tipo de entretenimento que causa doença no coração e leva ao desvio da moral. O remédio benéfico que pode acalmar os nervos é fazer as pessoas doentes ouvirem a recitação do Qur'an, exortações benéficas e ahadith benéficos. Usando a música como um remédio é algo que leva as pessoas a acostumarem-se à falsidade e torna-os ainda mais doentes. Faz ouvir o Qur'an e a Sunnah e exortações úteis serem pesados para eles. Laa hawla wa laa quwwata illa Billaah (não há poder nem força excepto com Allah)”. [Majmoo' Fataawa Al-Sheikh Ibn Baaz (9/429)]

Lógica da Proibição da Música

No Islam, a personalidade de um indivíduo é construída baseada em pincípios e não em emoções. O Islam é primeiramente uma proposição intelectual e não emocional. Isto porque as emoções, mesmo que profundas, são muito mais susceptíveis a serem persuadidas por desejos subjectivos e medo que pela razão. A música inflama as emoções e tem um controle emocional sobre o humor de uma pessoa: pode fazer alguém feliz (se ouve algumas músicas alegres) ou triste (se ouve músicas deprimentes), ou mesmo violenta (certas músicas têm esse efeito em algumas pessoas, bem como no curto e longo prazo). Os ensinamentos do Islam são para desenvolver um ser humano cuja lógica e razão controlam as suas emoções, e não o contrário, onde as emoções de uma pessoa controlam a lógica e a razão. Nos casos em que uma pessoa faz as suas decisões na vida baseada em emoções, ele tem mais probabilidade de errar que uma pessoa que tem controle sobre os seus sentimentos e faz escolhas baseadas no seu raciocínio.

A música geralmente embebeda uma pessoa e leva-a para fora do caminho de Allah. A música ocupa a mente de uma pessoa e leva-a para longe da lembrança do seu Criador e para longe de perceber e focalizar a sua atenção sobre o objectivo da sua criação. Nas canções musicais, na maioria das vezes, os ouvintes ainda apreciam conteúdo ilógico e incorrecto e matéria blasfema. A pessoa vai perceber isso quando começar a reflectir sobre o significado de muitas canções. Assim, nós ficamos a saber que é por causa da música que a mente de uma pessoa é intoxicada e a pessoa se desvia do caminho reto.

Numa sociedade onde a música é predominante e onde aumenta a imodéstia. A música incentiva as avenidas onde o comportamento indecente é comum, como boates e clubes de strip. Além disso, essas avenidas, por sua vez promovem a mistura de sexos, que eventualmente leva à fornicação e ao adultério. Portanto, se eliminar a música, também se livra dessa cultura de festa onde todos esses vícios ocorrem.

Não temos que olhar muito longe para ver a prova da decadência moral que nos rodeia. Podemos vê-la e ouvi-la em entretenimento como a música rap, com músicas que glorificam a violência ou o suicídio ou a exploração de outros. Música Rap também incentiva a cultura gangster (uma vez que muitos rappers pertencem a gangs diferentes).

Além disso, muitas bandas de heavy metal e rock promovem certas ideologias destrutivas através da sua forma de música. Por exemplo, algumas faixas estão associadas com a promoção do culto a Satanás. Da mesma forma essas bandas de rock incentivam, sobretudo adolescentes, à rebeldia (um dos motivos pelo que muitos adolescentes são desobedientes aos seus pais).

Fora de tudo isto, um muito claro, indiscutível facto emerge: a música leva à degradação social e à desintegração. O Alcorão adverte-nos sobre isto. E a evidência comprova. Algumas das letras são extremamente ordinárias e, principalmente, focam-se em descrições chocantes e explícitas de actos sexuais e promiscuidade. A comercialização dessas canções é feita pela selecção de performances de vídeo das canções. Cenas ordinárias são representadas graficamente. Isso é seguido por shows de música pop ao vivo, onde todas essas porcarias são feitas à frente de milhares de jovens presos num frenesim selvagem e demoníaco.

Um exemplo do comportamento repugnante a que a música pode levar pode ser visto a partir do artigo publicado pelo Sunday Independent (em 07/09/1997) e o seu título era "Banimento levantado de Rockers Lésbias". O primeiro parágrafo do artigo diz: "Munique - Autoridades alemãs levantaram uma proibição na sexta-feira à apresentação de um grupo de rock pornográfico de lésbicas britânicas. O tribunal decidiu que o grupo de sete meninas poderia realizar, mas que o seu concerto, agendado para a noite passada, não deve incluir actos sexuais ou de urinar para o público.”

Certas músicas são tais que apenas por ouvi-las pode-se cair num estado de espírito diferente e até mesmo em transe. Assim, a música em si é alteradora da mente. Em seguida, um aspecto quase inseparável é a droga. A música já coloca a pessoa num estado alterado da mente. Para reforçar a condição de que muitos numa festa ou boate recorrem a drogas ecstasy ou outras. Em muitas festas, música, dança, drogas e bebidas continuam e levam aos seres humanos a agir como animais. A mente é controlada. É levado a pensar que se tornou livre. Na verdade, está a tornar-se num escravo da droga e num escravo da cultura bárbara. Além disso, os jovens são influenciados por cantores nos vídeos musicais. Eles tentam imitá-los como os cantores se tornaram nos seus modelos a seguir. Isto, por sua vez, leva à decadência moral da juventude.

Concluindo, música é a obra de Satanás. As desvantagens trazidas pela música para a sociedade superam as vantagens. Se queremos salvar-nos da imoralidade e da falta de modéstia, teremos de ficar longe desse mal.

Veja também: A Sentença sobre Música de Acordo com os Quatro Imams