O que os Estudiosos Não Muçulmanos disseram sobre o Profeta Muhammad ﷺ

muhammad 05 by manipakistani d5skp0y

Napoleão Bonaparte: 

"Espero que não esteja longe o tempo em que serei capaz de unir todos os homens sábios e instruídos de todos os países e estabelecer um regime uniforme, com base nos princípios do Alcorão, que por si só são verdadeiros e que por si só podem levar os homens a felicidade”.[1]

M.K.Gandhi (1924):


"... Mais do que nunca, eu me convenci de que não foi a espada que ganhou um lugar para o Islam no plano de vida daqueles dias. Foi a rígida simplicidade, a absoluta modéstia do profeta, o escrupuloso respeito por suas promessas, sua intensa devoção aos seus amigos e seguidores, sua coragem, seu audácia, a sua absoluta confiança em Deus e na sua própria missão. Isto, e não a espada realizou tudo antes deles e superou todos os problemas”.[2]

 

Lamartine (1854):


"Se a grandeza de propósito, a insignificância dos meios e resultados surpreendentes são os três critérios do gênio humano, quem poderia se atrever a comparar qualquer grande homem da história moderna com Muhammad? Os homens mais famosos criaram armas, leis e impérios somente. Eles fundaram, quando muito, não mais do que poderes materiais que muitas vezes desmoronou diante de seus olhos. Este homem não mudou apenas exércitos, legislações, impérios, povos e dinastias, mas milhões de homens em um terço do mundo então habitado; e mais de que isso, ele mudou os altares, os deuses, as religiões, as ideias, as crenças e as almas... a paciência na vitória, sua ambição, que foi inteiramente dedicada a uma ideia e, de nenhuma maneira buscando um império; suas orações intermináveis, suas conversas místicas com Deus, sua morte e seu triunfo após a morte; tudo isso não atesta um impostor, mas uma firme convicção que lhe deu o poder de restaurar um dogma. Esse dogma era duplo, a unidade de Deus e a imaterialidade de Deus; o primeiro a dizer o que Deus é, o último a dizer o que Deus não é; aquele que derrubou falsos deuses com a espada, o que começou uma ideia com palavras.[3]


"Filósofo, orador, apóstolo, legislador, guerreiro, conquistador mediante ideias, restaurador de dogmas racionais, de um culto sem imagens; O fundador de vinte impérios terrestres e de um império espiritual, este é Muhammad. Levando em consideração todos os padrões pelos quais a grandeza humana pode ser medida, podemos perfeitamente perguntar, há algum homem maior do que ele?"

 

Edward Gibbon e Simon Ockley (1870, p 54):


"Não é a propagação, mas a permanência de sua religião que merece a nossa admiração, a mesma impressão pura e perfeita que ele gravou em Meca e Medina é preservada, após as revoluções de doze séculos, pelos Indianos, Africanos e os Turcos seguidores do Alcorão... os maometanos têm uniformemente resistido à tentação de reduzir o objeto de sua fé e devoção a um nível com sentidos e imaginação humana. "Creio em um só Deus e em Muhammad, o Mensageiro de Deus", é a simples e invariável profissão do Islam. A imagem intelectual da Divindade nunca foi degradada por qualquer ídolo visível; as honras do profeta nunca transgrediram a medida da virtude humana, e seus preceitos de vida detiveram a gratidão de seus discípulos dentro dos limites da razão e da religião."[4]

 

Rev. Bosworth Smith (1874, p. 92):


"Ele era César e o Papa em um, mas foi papa sem pretensões de papa, e César sem as legiões de César: sem um exército permanente, sem um guarda pessoal, sem um palácio, sem uma remuneração fixa; se algum homem, alguma vez, teve o direito de dizer que governou pelo direito divino, este foi Mohammed, pois ele tinha todo o poder, sem dispor dos instrumentos e suportes do poder."[5]

 

Annie Besant (1932, p. 4):


"É impossível para qualquer um que estude a vida e o caráter do grande Profeta da Arábia, que saiba como ele ensinou e como ele viveu sentir algo que não seja reverência por aquele poderoso Profeta, um dos grandes mensageiros do Supremo. E apesar de em minhas colocações eu dizer várias coisas que podem ser familiar para muitos, mas eu mesma, sempre que volto a lê-las, sinto uma nova forma de admiração, um novo sentimento de reverência para esse potente professor de árabe”.[6]

 

Montgomery Watt (1953, p. 52):


"Sua predisposição para sofrer perseguição por suas crenças, o elevado caráter moral dos homens que acreditavam nele e o viram como líder, e a grandeza de sua realização final – todos argumentam sua integridade fundamental. Presumir Muhammad como um impostor levanta mais problemas do que soluções. Além disso, nenhuma das grandes figuras da história é tão apreciada no Ocidente como Muhammad."[7]

 

James (1955, p. 68-70):


"Muhammad, o homem inspirado que fundou o Islam, nasceu por volta de 570 D.C. em uma tribo árabe que adorava ídolos. Órfão ao nascer, ele sempre foi particularmente solícito com os pobres e necessitados, com a viúva e o órfão, com o escravo e os oprimidos. Aos vinte anos ele já era um empresário de sucesso, e logo assumiu a direção de caravanas de camelos para uma viúva rica. Quando chegou a vinte e cinco anos, sua empregadora, reconhecendo o seu mérito, o propôs casamento. Mesmo sendo ela quinze anos mais velha, ele se casou com ela, e enquanto ela viveu, manteve-se um marido dedicado."[8]
"Como quase todo grande profeta antes dele, Muhammad lutou tímido de servir como o transmissor da Palavra de Deus, sentindo sua própria inadequação. Mas o anjo ordenou 'leia'. Tanto quanto sabemos, Muhammad era incapaz de ler ou escrever, mas ele começou a ditar essas palavras inspiradas que logo revolucionariam uma grande parte da terra: 'Há um só Deus'."
"Em todas as coisas Muhammad era profundamente prático. Quando seu amado filho Ibrahim morreu, ocorreu um eclipse, e rumores de condolências pessoais de Deus rapidamente se levantaram. Ao que é dito que Muhammad anunciou, 'Um eclipse é um fenômeno da natureza. É tolice atribuir tais coisas à morte ou nascimento de um ser-humano'."
"Na própria morte de Muhammad foi feita uma tentativa de deificá-lo, mas o homem que viria a se tornar seu sucessor administrativo matou a histeria com um dos discursos mais nobres da história religiosa: 'Se há alguém entre vós que adorava Muhammad, ele está morto. Mas se é a Deus que você adorava, Ele vive para sempre'."

 

Michael H. Hart (1978, p. 33):


"Minha escolha de Muhammad para liderar a lista das pessoas mais influentes do mundo pode surpreender alguns leitores e pode ser questionada por outros, mas foi o único homem na história que foi extremamente bem sucedido, em ambos os níveis: religioso e secular."[9]
Sarojini Naidu (1918):
"Foi a primeira religião que pregou e praticou a democracia; quando, na mesquita, soa o chamado para a oração e os adoradores se reúnem, a democracia do Islam é personificada cinco vezes por dia, quando, lado a lado, se ajoelham o camponês e o rei e proclamam: 'Somente Deus é Grande'..."[10]

 

Thomas Carlyle:


"Como um homem, sozinho, poderia unir tribos guerreiras e beduínos na nação civilizada mais poderosa e em menos de duas décadas?"[11]


"... As mentiras (Calúnia Ocidental), que o zelo bem-intencionado tem amontoado em volta deste homem (Muhammad) são uma vergonha para nós apenas... Como um homem, sozinho, poderia fundir tribos guerreiras e beduínos nômades em uma nação civilizada mais poderosa e em menos de duas décadas... A silenciosa grande alma, das quais não pode deixar de ser sincera. Ele tinha que entusiasmar o mundo; O Criador do mundo havia o ordenou."

 

Stanley Lane-Poole:


"Ele era o mais fiel protetor daqueles a quem protegia, o mais doce e agradável na conversa. Os que o viram foram subitamente preenchidos com reverência; quem chegava perto dele o amava; os que o descreveram, diriam: 'Eu nunca vi alguém como ele, nem antes nem depois'. Ele foi muito reservado, mas quando falou, foi com ênfase e deliberação, e ninguém pode esquecer o que ele disse..."[12]

 

George Bernard Shaw (1936):


"Eu acredito que se um homem como ele assumisse a ditadura do mundo moderno teria sucesso na resolução de seus problemas de uma forma que traria a paz e a felicidade muito necessárias.
Eu o tenho estudado – o homem e, em minha opinião está longe de ser um anticristo. Ele deve ser chamado o Salvador da Humanidade.


Tenho o presságio de que a fé de Muhammad seria aceitável na Europa de amanhã, uma vez que está começando a ser aceitável na Europa de hoje."[13]

Notas:

[1]           Cherfils, Christian. Bonaparte Et Islam. Paris,1914.

[2]           Gandhi, M.K. Young India, 1924.

[3]           Lamartine. História da Turquia. Paris, 1854, Vol. II, p. 276-77.

[4]           Gibbon, Edward; Ockley, Simon. História do Império Sarraceno, Londres, 1870, p 54.

[5]           Rev. Bosworth Smith. Mohammed e Mohammedanism, Londres 1874, p. 92.

[6]           Besant, Annie. A Vida e os Ensinamentos de Muhammad, Madras 1932, p. 4.

[7]           Watt, Montgomery. Mohammad em Meca, Oxford 1953, p. 52.

[8]           James A. Michener, 'Islam: The Misunderstood Religion' no sumário do leitor (edição americana), maio de 1955, p. 68-70.

[9]           Michael H. Hart. As 100 Maiores personalidades da história, New York: Hart Publishing Company, Inc. 1978, p. 33.

[10]           Naidu, Sarojini. A famosa poetisa indiana diz: S. Naidu, Ideais do Islam, Discursos e Escritos, Madaras, 1918.

[11]           Carlyle, Thomas. Heróis e o Culto ao Herói.

[12]           LANE – POOLE, Stanley. Table Talk of the Prophet.

[13]           Shaw, George Bernard. O Genuíno Islam. Vol. 8, 1936.


You have no rights to post comments