Doenças oculares e seus Tratamentos

 

O tratamento dos olhos recebeu mais atenção dos muçulmanos do que qualquer outro ramo da profissão. A partir dos primeiros estágios, oftalmologia e cirurgia ocular receberam atenção focalizada, e oftalmologia islâmica é considerada por muitos como sendo da mais alta ordem com oculistas muçulmanos

como os operadores mais talentosos. Uma razão, possivelmente, para o avanço da ciência foi sua alta incidência entre a população, e o fato de que os oftalmo cirurgiões muçulmanos foram capazes de usar os olhos disponíveis livremente; o calor e a secura do clima sendo favorável para afecções oftálmicas e ofereciam ao cirurgião uma variada e incessante prática. Quase todo o compêndio médico abrange alguns aspectos de doenças oculares, embora o melhor seja por monografias exclusivamente dedicadas ao assunto. Elas enumeram nove formas diferentes de catarata, que eles tratavam por extração e por punção. Suas agulhas eram tanto redondas como triangulares; algumas eram ocas e feitas de vidro. 

Este avanço produziu uma série de notáveis estudiosos e obras. 

Por muito, um dos primeiros estudiosos no campo era Ali Ibn Issa (Jesu haly) (d.1010), de Bagdá. Seu Tadkiratul-Kahhaleen (caderno do oculista) é o segundo mais antigo texto completo em árabe sobre os olhos existente, e é baseado em textos mais antigos, bem como experiência pessoal. O livro está dividido em três partes, a primeira, dedicada à anatomia, a segunda às doenças externas do olho, e a terceira parte às doenças internas do olho que não são visíveis após a inspeção. Estamos interessados na terceira parte, que inclui medicina oftalmológica geral. Ele descreve os efeitos de 143 medicamentos. 

Seguem-se algumas das receitas do livro de Issa.

"Prescrição para um colírio que aguça e fortalece a visão. Tome partes iguais de resina sagapenum, resina opopânace, pedra sal, verdete, pimenta branca, asafetida, óleo de bálsamo, fel de um touro, pimenta-longa, e gengibre. O número de drogas é dez. Estes são amassados com sumo de erva-doce depois disso é finalmente pulverizado. O olho é esfregado com ele."

Além disso, "quando se dissolve um pouco de resina opopânace em suco de manjericão, é útil quando esfregado nos olhos. Ou pode-se tomar o suco de romãs verdes, não maduras, é cozido por pouco tempo, em seguida, adiciona-se mel, e deixa por 20 dias ao sol, e é esfregado para aguçar a visão."

O livro de Issa foi o livro texto mais amplamente referido por oftalmologistas posteriores. Primeiro traduzido em persa e, em seguida, para o latim e impresso em Veneza em 1497, seu trabalho foi usado como um livro de texto na Europa até o século XVII. Foi traduzido para o alemão com comentário de Hirschberg e Lippert (1904), como já observado, e para o inglês por Casey Wood (1936).

Contemporâneo famoso de Isa Ibn Ali foi Al-Mosuli de Mosul, no Iraque. Sua Kitab-ul Muntakhab fi Ilaj-ul Ayn (Livro de Opções no Tratamento de Doenças dos Olhos) discute quarenta e oito doenças. A tradução deste trabalho foi realizada em alemão, e destaca muitas das realizações de al-Mosuli. Neste estão as receitas de Al-Mosuli para curar distúrbios e doenças oculares. Al-Mosuli afirma:

"No tratamento de úlceras, o melhor para o tratamento é o colírio que se segue. Ele efetua a cura e permite que a carne natural cresça de modo que, após a cura, nenhum ponto permanece no olho. Observe que, quando a úlcera é tratada com algo mais, o olho tem que estar vinculado desde o início da doença."

Prescrição de colírio para úlceras:

"Pegue 8 dirhams sendo ouro coloração calamina, chumbo branco e cobre queimado, 4 dirhams de chumbo queimado, 30 dirhams de sulfeto de antimônio, 8 dirhams sendo goma forte arábica e tragacanto, 1 dirham de mirra e ópio, e 5 dirhams de incenso. Estes medicamentos são colocados juntos, pulverizados, peneirados e, amassados com água potável. São feitos pequenos bolos que são secos à sombra, então utilizado. 

Observe que quando se utiliza uma droga mineral que não tenha sido adequadamente pulverizada para remédio que é usada no tratamento de úlceras, esta não deve picar o olho. Tenha o mesmo cuidado que se tem com outros remédios. Eu mesmo já tratei úlceras com este remédio toda a minha vida. Ele é o melhor."

"Se uma pequena mancha permanece, então prepare um colírio calamina de modo que nenhum outro seja usado. Prescrição [do colírio calamina]: 5 dirhams de chumbo branco, 2 dirhams sendo um de goma e um de tragacanto e 1 dirham de ópio e de calamina cor prateada misturadas, pulverizado e peneirado, e amassa-se com água da chuva e clara de ovo. Um colírio é preparado a partir dessa mistura e esfregava um pouco com leite quando necessário e pingava no olho."

Ao discutir o tratamento da catarata, Al-Mosuli apresenta quatro casos detalhados e um instrumento do seu próprio design, uma agulha oca para remover catarata por sucção, inserida através do limbo (a córnea, onde se junta à conjuntiva). Até o século XX, este trabalho só estava disponível em árabe e uma tradução hebraica do século XIII. A tradução alemã é recente,por J. Hirschberg (1905).

Sobre este assunto da catarata, Al-Zahrawi nos diz, no decurso de algumas das operações mais terríveis, para dar ao paciente um descanso de tempos em tempos, por exemplo, no caso de cataratas. O método é inserir a agulha – miqdah – no branco do olho e pressione o ponto baixo. A ilustração mostra a agulha ampliando para fora da ponta, como uma espátula. Ele continua, e este é um aspecto interessante sobre as dificuldades no caminho da transmissão de informações antes dos dias de jornais e congressos internacionais:

"Ouvi dizer que certo iraquiano disse que no Iraque ele faz uma agulha oca – miqdah manfud – através da qual o liquido orgânico é sugado para fora. Em nossa terra eu nunca vi ninguém fazê-lo desta forma, nem li sobre isso em qualquer um dos livros dos Anciãos; talvez seja uma nova invenção."

A Síria produziu uma série de escritores eminentes no campo. Salah al-Din escreveu Kitab al-Nur Uyun wa-Jami al-Funun (Luz dos Olhos...), que é mais particularmente interessante em sua menção de todas as autoridades anteriores e suas obras, incluindo Ali.b. Isa, Ammar, Ibn Jazla...

Khalifa al-Halabi (meados do século XIII) de Aleppo, escreveu seu Kitab al-Kafi fi al-Kuhl  (Livro sobre a adequação em Oftalmologia), no qual ele menciona dezoito principais textos oftalmológicos. Seu trabalho é muito prático também, com muito boas descrições de cirurgias de catarata, os instrumentos utilizados, e também as medidas a serem tomadas após a operação. 

Al-Mahasin (século XIII), também de Aleppo, é o autor de uma grande obra de 564 páginas no qual ele descreve e dá desenhos de diversos instrumentos cirúrgicos, incluindo 36 instrumentos para a cirurgia do olho.

Completando esta lista, de outra forma mais longa, estão Al-Ghafiqi e Ibn Sina. Al-Ghafiqi (d. 1165), da Espanha, escreveu Al-Murshid fil Kuhl (O Guia Correto em Oftalmologia). O livro não se limita aos olhos, mas também dá detalhes da cabeça e doenças do cérebro. Em Kitdb al-murshid fi 'l-kuhl, al-Ghafiqi descreve o tratamento de pústulas da pálpebra, que é de interesse quando consideradas em conjunto com sua grande obra sobre medicamentos simples. Ao longo deste texto em oftalmologia, o autor está bem orientado quanto ao uso de drogas, tanto interna como externamente. Al-Ghafiqi nos informa que pústulas duras e pequenas aparecem especialmente nas pálpebras dos adolescentes e jovens. Elas se originam de um vapor espesso. Ele dá o tratamento:

É necessário aproximar dos olhos com dois conta-gotas. De um, sai água muito quente em que tenha sido fervido aneto, camomila, e melilotus. Então, a pálpebra é revestida com suco de pepino selvagem ou pegue alúmen iemenita em pó fino. Então pegue goma de carvalho; leve ao fogo baixo e adicione alúmen. Por fim, coloque sobre as pústulas para extirpá-las. Pegue um pouco de nátron e goma arábica em partes iguais. Pulverize com um ramo de palmas e aplique. Se isso fizer bem, ótimo. Se não, então abra as veias cefálicas..."

Quanto a Ibn Sina, o seu Qanun tinha mais de trinta edições latinas desde o século XVI, a sua seção que trata de oftalmologia tem sido objeto de estudo especial por parte da medicina moderna.

 


You have no rights to post comments