Origens da Tradição Médica Islâmica

 

A medicina islâmica retorna ao tempo do Profeta Muhammad, e foi impulsionada por ambos, pelo seu encorajamento e pelo seu exemplo. Hareth Ibn Kelda era um árabe com sede em Meca, e com ele o Profeta obteve algo mais do que os rudimentos da medicina, uma conquista que muito contribuiu para o seu sucesso.

 O Profeta assistiu ao enfermo, deu consultas, e dividiu seu aprendizado com suas esposas, e crucialmente, ele reconheceu a importância primordial da higiene, e inculcou suas máximas sobre todas as ocasiões. "Deus não causou uma única doença que desce sobre os homens sem apresentar um remédio", "A dieta é o princípio da cura, e a intemperança é a fonte de todos os males físicos", foram algumas das palavras concisas cuja verdade ele constantemente difundia entre seus seguidores.

Seguindo o seu exemplo, seus companheiros e primeiros califas deram grande apoio à aprendizagem médica, ensino e prática, e pela alta Idade Média, a medicina islâmica estava madura e com grandes feitos. Algumas dessas conquistas são descritas por Campbell:

"Os árabes elevaram a dignidade da profissão médica daquela vocação servil ao posto de uma das profissões eruditas, eles foram os primeiros a introduzir ilustrações dispostas de modo sistemático em seus escritos médicos, e também nos deram o seu sistema de numeração que tem tudo e substituiu os algarismos romanos complicados. Eles também desenvolveram a ciência da química aplicada à medicina, e melhoraram consideravelmente a arte de distribuição pela introdução de tais preparações elegantes como água rosa e laranja. Aos árabes devemos a introdução da ideia do controle legal de exames de qualificação para a admissão à profissão médica, e embora a ideia de estabelecer hospitais não tenha se originado com eles, eles foram responsáveis pela criação de um grande número destas instituições."

Figura 1a-c: Três páginas de Al-Juz 'al-thalith min Kitab al-Hawi fi al-Tibb (A terceira parte do livro abrangente sobre medicina) por Abu Bakr Muhammad ibn Zakariya al-Razi (ca. 865-ca . 925).

Durant faz outro excelente resumo das conquistas médicas islâmicas, que é sintetizado aqui. Os muçulmanos, ele diz que "estabeleceram as primeiras boticas (farmácias) e ambulatórios, fundaram a primeira escola medieval de farmácia, e escreveram grandes tratados sobre farmacologia. Médicos muçulmanos foram entusiastas defensores do banho, especialmente em casos de febre e na forma de banho de vapor. Suas indicações para o tratamento da varíola e sarampo dificilmente poderiam ser superadas hoje. Anestesia por inalação era praticada em algumas operações cirúrgicas... Nenhum homem poderia legalmente exercer a medicina sem passar por um exame e receber um diploma do Estado; farmacêuticos, barbeiros e ortopedistas foram igualmente sujeitos a regulamentação estatal e inspeção. O médico – vizir Ali ibn Isa organizou uma equipe de médicos para ir de um lugar para outro afim de cuidar dos doentes; certos médicos fizeram visitas diárias às prisões, havia um tratamento humano especial dos loucos."

"Os árabes", nas palavras de Scott, "foram os primeiros a realizar a importante operação de litotomia e reduzir antigas luxações. Eles sabiam como ligar as artérias quatro séculos antes de Ambrose Pare. Eles usaram ganchos para a extração de pólipos. Eles fizeram uso frequente e inteligente de antialérgicos. A Seton é sua invenção. A aplicação de sanguessugas em apoplexia foi um incidente comum na sua prática. Eles estavam familiarizados com os efeitos de cáusticos e ácidos como escaróticos. Eles substituíram refrigerantes por tônicos em certas afecções dos nervos centrais. Eles entenderam o valor da água fria na contenção de hemorragia. Eles originaram o método moderno de bandagem. O tratamento de febres lentas, como a febre tifoide, por banhos de baixa temperatura, era frequentemente empregado por eles; foi recomendado por Razes 900 anos antes de sua divulgação à geração atual como uma nova e notável descoberta. À ciência médica de Ibn Zuhr deve-se a operação de traqueotomia e a descrição original de pericardite. Abulcasis, ao explicar litotomia, aconselha a seção usada por cirurgiões, desde que ele escreveu, no século 10. Nem havia as vantagens decorrentes da anestesia e escapou o aviso dessas observações profundas e engenhosas. Eles sugerem a administração, no cozimento, de joio – o Lolium Temulentum – e outras plantas de propriedades narcóticas, até a perda total da consciência e sensação seja obtida, a fim de facilitar o desempenho das operações graves. Mesmo os resultados de infecção microbiana parecem ter sido reconhecidos por eles, embora sua causa permanecesse desconhecida. Nem mesmo naquele tempo o cuidado com os animais foi negligenciado, e o nome de Abu Bakr Ibn Badr descendeu à posteridade como o de um famoso cirurgião veterinário."

A ciência a medicina muçulmana e em particular, eram muito mais avançadas em comparação à contraparte cristã ocidental. O historiador muçulmano do século 12, Osama Ibn Munquidh, relata uma anedota sobre a autoridade de Guillaume de Bures, com quem viajou de acres à Tiberíades: "Estava conosco em nosso país, disse Guillaume, um cavaleiro muito valente, que caiu doente e estava à beira da morte. Como último recurso foi apresentado a um padre cristão de grande autoridade e confiou o paciente a ele dizendo: 'Venha conosco para examinar tal e tal cavaleiro.' ele concordou e partiu com a gente. Nossa crença era que ele só tinha que colocar as mãos no cavaleiro para curá-lo. Assim que o padre viu o paciente, ele disse, 'traga-me cera.' Nós o trouxemos um pouco, e ele amoleceu e fez (dois plugues), como as articulações de um dedo, cada qual ele empurrou em uma das narinas do paciente; ao que ele expirou. 'Ele está morto,' nós exclamamos. 'Sim', respondeu o sacerdote; 'ele estava sofrendo, e eu conectei suas narinas para que ele pudesse morrer e estar em paz!'"

 Figura 2: Página da tradução latina de Isagoge Johannitii em Tegni Galeni, um livro médico por Hunayn ibn Ishaq (ca. 809-873).

Usama também narra as seguintes ocorrências, que estão contidas em seu Kitab al-i'tibar. A conta de Usama fala das cruezas do tratamento Ocidental. O tio do escritor, um príncipe muçulmano, tinha enviado um médico para um vizinho franco, a pedido dele. Quando o médico voltou após um período surpreendentemente curto, ele tinha um conto notável. Eles trouxeram diante de mim, disse ele, um cavaleiro em cuja perna um abscesso tinha crescido; e uma mulher afligida com loucura. Ao cavaleiro apliquei um pequeno cataplasma até que o abscesso abriu e ficou bem; e à mulher eu prescrevi uma dieta e fiz seu humor melhorar.

Então um médico franco veio até eles e disse: "Este homem nada sobre o tratamento deles." Ele então disse ao cavaleiro: "Que queres tu, prefere viver com uma perna ou a morrer com duas?" Ele respondeu: "Viver com uma perna." O médico disse: "Traga-me um cavaleiro forte e um machado afiado." Um cavaleiro veio com o machado. E eu estava de pé junto. Em seguida, o médico colocou a perna do paciente em um bloco de madeira e pediu ao cavaleiro para golpear a perna com o machado e cortá-la em um golpe. Assim sendo, ele bateu golpeou a perna – enquanto eu olhava – um golpe, mas a perna não foi cortada. Ele deu outro golpe, em que a medula da perna fluiu e o paciente morreu no local. Ele então examinou a mulher e disse: "Esta é uma mulher cuja cabeça está possuída por um demônio; raspem o cabelo dela." Assim, rasparam-lhe o cabelo e a mulher voltou a comer a sua dieta comum de alho e mostarda. Sua loucura voltou a piorar. O médico então disse: "O diabo penetrou em sua cabeça." Por isso ele tomou uma navalha, fez uma incisão cruciforme profunda sobre sua cabeça, tirou a pele no meio da incisão até que o osso do crânio foi exposto e esfregou-a com sal. A mulher também expirou instantaneamente. Então eu perguntei-lhes se os meus serviços ainda eram necessários, e quando responderam negativamente voltei para casa, depois de ter conhecido de sua medicina que eu não havia visto antes.

Scott ainda observa em relação a esse contraste, que "Cinco séculos depois que os médicos mouros da Espanha haviam tratado da doença pelos princípios racionais de medicina, cirurgia, e higiene, a Europa ainda aderia às concepções arcaicas de ignorância bárbara; à crença de que toda doença era uma manifestação de desagrado divino; a possessão por espíritos malignos; aos expedientes enganosos de artifício sacerdotal, a exposição de relíquias, o murmúrio de textos, o desempenho dos exorcismos."

Fonte: http://muslimheritage.com/article/medical-sciences-islamic-civilization


You have no rights to post comments