Os Direitos do Mensageiro de Allah (sallAllahu ‘alayhi wa sallam)

 

 

 

Este é o maior direito de toda a criação. Ninguém da criação tem um direito maior que os direitos do Mensageiro de Allah (sallAllahu ‘alayhi wa sallam). Allah – o Altíssimo – disse:

“Por certo, Nós te enviamos por testemunha e alvissareiro e admoestador, para que vós creiais em Allah e em Seu Mensageiro, e o ampareis e o honreis.”

[Al-Qur’an 48:8-9]

 

 

Assim, é obrigatório amar ao Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) mais e acima de qualquer um da humanidade – até mesmo acima do amor do indivíduo por si mesmo, seus pais e seus filhos. O Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) disse:

“Nenhum de vós verdadeiramente crê até que me ame mais que a seus pais, filhos e toda a humanidade.” [1]

 

E dos direitos que são devidos ao Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) são: que ele deve ser honrado, amado e respeitado – mas sem qualquer ghulu (exagero) ou qualquer falta no assunto.

 

Honrar o Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) durante a sua vida implicava honrar a sua Sunnah (guia e exemplo) e o seu nobre caráter e conduta. Quanto à honrá-lo após a sua morte, isto implica honrar a sua Sunnah e a Shari’a (as Leis Prescritas) com as quais ele foi enviado. Todo aquele que reflete sobre as vidas dos Sahaba (Companheiros do Profeta) virá a saber como foi que estes grandes e virtuosos indivíduos estabeleceram a obrigação de honrar o Mensageiro (sallAllahu ‘alayhi wa sallam).

 

‘Urwah ibn Mas’ud disse aos Quraysh: “Ó povo meu! Eu já vi reis. Eu vi César, Chouoes e Negus. Mas por Allah! Eu nunca vi um rei cujo companheiros o respeitam e honram da forma que os Companheiros de Muhammad honram Muhammad (sallAllahu ‘alayhi wa sallam). Por Allah! Quando ele cuspia, a saliva cairia nas mãos de um deles, que de seguida esfregaria o seu rosto e pele com ela; quando ele lhes ordenava com algo, eles prontamente o cumpriam; quando ele fazia wudhu’ (ablução), eles competeriam uns com os outros pela resta da água; e quando falavam na sua presença, baixariam o tom das suas vozes e não olhariam diretamente para o seu rosto, devido ao seu respeito e honra por ele.” [2]

 

Então foi assim que os Companheiros (radhiAllahu ‘anhum) amaram e honraram-no, pois Allah dotou e abençoou o Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) com um caráter generoso e nobre e uma natureza calma e compassiva. Tivesse ele sido severo e de coração duro, as pessoas não teriam sido capazes de se juntarem à sua volta e de permanecer com ele como fizeram.

 

Além disso, dos direitos devidos ao Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) é crer em tudo o que ele informou quanto aos relatos dos povos e das nações anteriores, fazer aquilo que ele ordenou e abandonar aquilo que ele proibiu, e ter ‘iman (fé) que a sua orientação e o seu exemplo são os melhores e a mais perfeita orientação e exemplo, e que a Shari’a (Leis Prescritas) com as quais ele foi enviado são perfeitas e completas – nenhumas leis humanas ou sistemas são para serem dadas preferência ou prioridade sobre a sua Shari’a. Allah – o Altíssimo – disse:

“Então, por teu Senhor! Não crerão; até que te tomem por árbitro das dissensões entre eles, em seguida, não encontrem, em si mesmos, constrangimento no que julgaste, e até que se submetam, completamente.”

[Al-Qur’an 4: 65]

 

“Dize: ‘Se amais a Allah, segui-me, Allah vos amará e vos perdoará os delitos.’ E Allah é Perdoador, Misericordiador.”

[Al-Qur’an 3: 31]

 

E dos direitos do Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) é defender a sua Shari’a e a sua orientação com a força e a capacidade de acordo com a disposição do indivíduo, e também em proporção ao ataque a que estas estão sujeitas. Portanto, se os inimigos estiverem a atacá-los com falsas provas e objeções, então a sua orientação e Shari’a devem ser defendidas com um conhecimento sólido que refute tais argumentos falsos e clarifique as dúvidas. Se no entanto, o ataque for feito por quaisquer tipos de armas, então a defesa deve ser feita de um modo semelhante. Não é possível para qualquer crente ouvir de algum ataque sobre a Shari’a do Profeta ou a sua nobre personalidade, e de seguida ficar silencioso quanto a isso – principalmente quando o indivíduo possui o poder para contrariar tal ataque.

 

De Huquq Da’at Ilayh al-Fitrah wa Qarrarath ash-Shari’a (pp. 6-7).

Esta tradução (Árabe-Inglês) é da Revista Al-Istiqaamah [Al-Istiqaamah Magazine], Edição Nº2, Safar 1417H/Jullho 1996

 

 

Fonte: Abdurrahman.Org

Tradução: Mariama Bint Carlos


You have no rights to post comments