O Papel da Colonização no Sistema Político do Mundo Muçulmano

O Alcorão e a Sunnah foram os guias do ativismo moral e político muçulmano através dos séculos. O exemplo de como o Profeta Muhammad ﷺ e seus companheiros levaram suas vidas e desenvolveram a primeira comunidade muçulmana serve como um projeto para um estado e sociedade socialmente justos e guiados Islammicamente.

Mais que um profeta, o Profeta Muhammad ? foi o fundador de um estado.  Na época do Profeta Muhammad ? e seus sucessores, todos os muçulmanos pertenciam a uma única comunidade cuja unidade era baseada na interconexão de religião e estado, em que fé e política eram inseparáveis.  O Islam se expandiu de onde hoje é a Arábia Saudita através do norte da África e Oriente Médio e até a Ásia e Europa.  Historicamente o Islam foi a ideologia religiosa para a fundação de vários estados muçulmanos, incluindo os grandes impérios Islammicos: Omíada (661-750), Abássida (750-1258), Otomano (1281-1924), Safávida (1501-1722 e Mugal (1526-1857). Em cada um desses impérios e outros sultanatos o Islam era a base das instituições legais, políticas, educacionais, econômicas e sociais do estado.

Por volta do século 11 o mundo Islammico estava sob ataque dos turcos e mongóis.  Eles não foram conquistados pelo Islam; ao invés disso, entraram no mundo Islammico como conquistadores e se converteram ao Islam ao longo dos séculos que se seguiram.

Durante os dois últimos séculos o mundo Islammico passou por outra transformação vinda do Ocidente.  Os europeus que chegaram nos séculos 19 e 20 para colonizar militarmente o mundo muçulmano não se converteram como os turcos e mongóis.  Pela primeira vez os muçulmanos estavam politicamente subjugados pelos impérios europeus da Rússia, Holanda, Grã-Bretanha e França.

O século 20 foi marcado por dois temas dominantes: colonialismo europeu e a luta muçulmana pela independência.  O legado do colonialismo permanece vivo hoje.  O colonialismo alterou o mapa geográfico do mundo muçulmano.  Traçou os limites e nomeou líderes para os países muçulmanos.  Depois da Segunda Guerra, os franceses estavam no oeste e norte da África, no Líbano e Síria; os ingleses na Palestina, Iraque, Golfo Árabe, subcontinente indiano, Malásia e Brunei; e os holandeses na Indonésia.  A colonização substituiu as instituições educacionais, legais e econômicas e desafiou a fé Islammica.  Oficiais das forças colonialistas e missionários cristãos se tornaram os soldados da expansão e imperialismo europeu.  O Cristianismo era visto pelos colonialistas como inerentemente superior ao Islam e sua cultura.  Essa atitude pode ser vista na declaração de Lorde Cromer, o conselheiro britânico no Cairo de 1883-1907: “... como um sistema social, o Islam tem sido um fracasso total. O Islam mantém as mulheres em uma posição de inferioridade... permite a escravidão... sua tendência geral é a intolerância em relação a outras crenças...”

O colonialismo europeu substituiu o autogoverno Islammico sob a Lei Islammica, que era implementada desde o tempo do Profeta Muhammad ?, por seus lordes europeus.  Os colonialistas eram cruzados modernos – guerreiros cristãos se empenhando para erradicar o Islam.  Os franceses falavam de sua batalha da cruz contra o crescente.  A única diferença era que os europeus vieram, dessa vez, não com a cavalaria e espadas, mas com um exército de missionários cristãos e instituições missionárias como escolas, hospitais e igrejas, muitas das quais permanecem nos países Islammicos até o dia de hoje.  Os franceses tomaram a Mesquita Jami da Argélia e a transformaram na catedral de São Felipe com a bandeira francesa e uma cruz sobre o minarete, simbolizando a dominação cristã[1].

Os séculos da longa batalha do mundo muçulmano com o governo colonial ocidental foram seguidos por regimes autoritários instalados pelos poderes europeus.  A ausência de estados estáveis levou muitos a se perguntarem se existe algo sobre o Islam que é antitético à sociedade civil e ao estado de direito.  A resposta a essa pergunta reside mais na história e na política do que na religião.  Os estados Islammicos modernos têm apenas algumas décadas e foram estabelecidos por poderes europeus para servirem aos interesses do Ocidente.

No sul da Ásia os ingleses dividiram o subcontinente indiano em Índia e Paquistão, dando partes do estado majoritariamente muçulmano da Caxemira a cada um deles.  Os conflitos que resultaram dessas ações levaram à morte de milhões na guerra comunal entre hindus e muçulmanos, na guerra civil entre o leste e oeste do Paquistão que levou à criação de Bangladesh e nos conflitos na Caxemira sob governo indiano que persistem até o dia de hoje.  No Oriente Médio os franceses criaram o Líbano moderno com partes da Síria, e os ingleses estabeleceram as fronteiras para o Iraque e Kuait e criaram uma nova entidade chamada Jordânia.  Também criaram um novo país chamado Israel, expulsando os residentes não judeus e tomando terras que antes pertenciam a cristãos e muçulmanos e entregando-as a uma autoridade judaica estrangeira. Essas fronteiras arbitrárias alimentaram conflitos étnicos, regionais e religiosos incluindo a Guerra Civil libanesa entre cristãos e muçulmanos, a ocupação do Líbano pela Síria, a Guerra do Golfo, que resultou da reivindicação do território kuaitiano por Saddam Hussein, e o conflito israelo-palestino que não precisa de mais explicação.

Modelos políticos e econômicos foram emprestados do Ocidente para substituir os sistemas político e econômico Islammico depois da independência dos governos coloniais em meados do século 20, criando cidades superlotadas sem sistemas de suporte social, alto nível de desemprego, corrupção do governo e uma distância crescente entre ricos e pobres.  Ao invés de levar a uma melhor qualidade de vida, a ocidentalização levou ao rompimento dos valores tradicionais familiares, religiosos e sociais.  Muitos muçulmanos culpam os modelos ocidentais de desenvolvimento político e econômico como as fontes do declínio moral e desconforto espiritual.

Governos não eleitos, cujos líderes são reis, militares ou ex-militares, governam a maioria dos países no mundo muçulmano.  O poder do estado se apóia pesadamente em forças de segurança, na polícia e no exército, e liberdade de reunião, expressão e imprensa são severamente limitados.  Muitos estados muçulmanos operam dentro de uma cultura de autoritarismo que se opõe à sociedade civil e liberdade de imprensa.

Além de influenciar aqueles que chegam ao poder nos modernos estados-nação muçulmanos, a Europa e depois a América forjaram alianças com regimes autoritários, tolerando ou apoiando suas maneiras não democráticas em troca de, ou para assegurar, o acesso do Ocidente ao petróleo e outros recursos.

Quando as pessoas se perguntam por que o mundo muçulmano está conturbado pela agitação e violência, a resposta pode certamente ser encontrada na interferência colonial, tanto do passado quanto do presente, na região. Consequentemente, qualquer sucesso futuro depende de retornar para uma sociedade que é governada pelos princípios das pessoas que nela vivem, em que todos os seus assuntos são governados pelo Islam.

Notas de Rodapé:

[1] Algumas das primeiras políticas imperialistas dos poderes coloniais continham agendas não somente econômicas, mas também religiosas e culturais. Os franceses, por exemplo, procurou substituir a cultura Islammica pela sua própria ao impor, entre outras medidas, controles sobre os tribunais Islammicos e supressão de muitas instituições Islammicas.  Depois de transformar a Grande Mesquita da Argélia na Catedral de São Filipe, por exemplo, o arcebispo da Argélia anunciou um plano missionário para “salvar” os muçulmanos dos “vícios de sua religião original que gera preguiça, divórcio, poligamia, roubo, comunismo agrário, fanatismo e até canibalismo.” Azim A. Nanji, ed., The Muslim Almanac (Detroit: Gale Research, Inc., 1996), p. 123; Arthur Goldschmidt Jr., A Concise History of the Middle East, 3a. ed. (Boulder, Colo.:Westview Press, 1988), p. 231; John L. Esposito, The Islammic Threat: Myth or Reality?, 3a. ed. (Nova Iorque: Oxford University Press, 1999), p. 50; Fawaz A. Gerges, America and Political Islamm: Clash of Cultures or Clash of Interests? (Cambridge: Cambridge University Press, 1999).

Fonte: IslamReligion


You have no rights to post comments