De Frankfurt e Cairo à Damasco: o Relógio da Mesquita dos Omíadas

 

Figura 1: A cúpula dos relógios no pátio do da Mesquita de Ummayyad em Damasco. © Bernard Gagnon (31 de março de 2010).
DEFININDO O CENÁRIO

Cerca de dois anos atrás, um grupo de pesquisadores no campo do Patrimônio Muçulmano no Cairo, anunciou que reconstruíram uma réplica do relógio de água da Mesquita Ummayad (conhecida também como Mesquita dos Omíadas ou Mesquita de Umayyad ou Grande Mesquita de Damasco). Esta réplica foi exposta em um museu no Cairo, reivindicando ser idêntica a do relógio original, ou o que é conhecido em estudos de patrimônio, como o relógio de Ridhwan al-Sa’ati (sa’at Ridhwan). Esses eruditos alegaram que suas reconstruções foram conduzidas de acordo com o manuscrito original de Ridhwan al-Sa'ati.


Mais cedo, o Professor Fuat Sezgin anunciou que descobriu os princípios daquele relógio e construiu uma amostra na década de oitenta do século passado, que ele exibiu em seu próprio museu em Frankfurt. Ele chamou esta réplica de relógio de Ridhwan al-Sa'ati, significando o relógio da Mesquita de Umayyad. Ele também publicou fotos na revista German Aarab World publicada em árabe, bem como no site do seu Instituto.
Estas tentativas, independentemente da sua autenticidade e motivos, vêm como um bom passo na explicação deste dispositivo e seu significado científico, gerando, portanto, novos interesses e criando perguntas nas percepções dessas alegações.
No entanto, houve anteriormente sérias tentativas que gozavam de um tipo diferente de credibilidade e seguiram a metodologia científica em pesquisa. As primeiras contribuições significativas foram por dois estudiosos acadêmicos alemães, Eilhard Wiedemann e seu parceiro Fritz Hauser. Eles publicaram seus trabalhos sobre este relógio em 1915 [1]. O trabalho deles continha profundo estudo analítico com desenhos de engenharia para desvendar, embora com sucesso limitado, os mistérios do manuscrito Ridhwan al-Sa'ati. Em 1984, Fuat Sezgin reuniu estes ensaios e os publicou em alemão entre as obras completas de Wiedemann. [2]
Mais tarde, o estudioso e historiador inglês de tecnologia islâmica, Donald R. Hill publicou o livro Arabic Water Clocks com seções em árabe e inglês. O livro foi lançado em colaboração com a Heritage Institute of Aleppo University [3]. Em um capítulo do livro, ele falou sobre o relógio da Mesquita dos Omíadas, onde reproduziu alguns dos desenhos de Wiedemann e Hauser.
A próxima contribuição veio de Sheikh Muhammad Ahmad Dahman que escreveu sobre o relógio da Mesquita dos Omíadas e editou o manuscrito de Ridhwan al-Sa'ati, com alguns comentários históricos sobre a questão dos relógios em geral, mas sem oferecer ou acrescentar nada de novo ao que já fora mencionado no manuscrito, nem na explicação geométrica ou a ilustração mecânica. [4]


Figura 2: Planta baixa e perspectiva de desenho da Mesquita dos Omíadas em Damasco, desenhado por Saeed Arida (2003). © Nasser Rabbat, the Aga Khan Program for Islamic Architecture, MIT.

OS RELÓGIOS NA TECNOLOGIA ISLÂMICA

Impulsionados por estes desafios, recolhemos tudo o que tinha sido dito ou publicado sobre o relógio da Mesquita dos Omíadas, fosse uma descrição ou um estudo, definimos uma estratégia para desvendar os seus mistérios de forma científica e sem fazer suposições que não são compatíveis com uma realidade científica ou prova histórica. Em nosso estudo, nós tínhamos de investigar as várias obras de mecânica de cientistas árabes e muçulmanos, de Banu Musa à Taqi al-Din ibn Ma'ruf, a saber:
Os Banu Musa bin Shakir, em seus famoso Kitab al-Hiyal (o livro de mecânica dos dispositivos engenhosos) escrito provavelmente na segunda metade do século IX em Bagdá, e então o livro de Al-Jazari, Al-Jami' Bayn al-'Ilm wa al-'Amal al-Nafi' fi Sina'at al-Hiyal (Um Compêndio sobre a Teoria e a Prática das Artes Mecânicas), concluído em 1206 EC em Diyarbakir, no sudeste da Turquia moderna. Encontramos a próxima contribuição em Kitab Mizan al-Hikma (O Livro da Balança da Sabedoria), completado por Abu al-Fath Abdurrahman al-Khazini em 1121-22 EC. Em meados do século XVI, Taqi al-Din ibn Ma'ruf escreveu o livro original Al-Turuq al-Sanniyya fi al-Alat al-Ruhaniyya (Os Métodos Sublimes das Máquinas Espirituais).

NOSSO ESTUDO DO RELÓGIO DE RIDHWAN AL-SA’ATI

Com uma compreensão adequada dos primeiros tratamentos mecânicos pelos eruditos muçulmanos, fomos capazes de desenvolver uma apreciação de vários dispositivos e ferramentas utilizadas e, logo, nos permitir finalmente recriar o relógio.
Aqui, achamos que é necessário simplificar o assunto do dispositivo supramencionado e descrevê-lo de acordo com o manuscrito feito por um dos mais proeminentes estudiosos que trabalharam na execução deste dispositivo no ano 600 da Hégira / 1202 EC, que é Fakhr ul-Din Ridhwan bin Mohammad bin Ali al-Sa'ati al-Khurasani al-Dimashqi, que serviu como ministro no estado aiúbida. [5]
O manuscrito de seu Tratado, no qual descreveu o relógio, situa-se na biblioteca Forschungsbibliothek em Gota, Alemanha. Um segundo manuscrito ainda existe. Ele foi copiado do original pelo engenheiro egípcio Baylak Abdullah al-Qabajaqi, uns 56 anos lunares depois que o primeiro manuscrito foi escrito. Um terceiro manuscrito é uma cópia feita no Egito no tempo de Ahmad Taymur Basha; foi encontrado na Biblioteca Nacional Egípcia. Todos os três manuscritos são totalmente idênticos.

OS COMPONENTES DO RELÓGIO DE DAMASCO

O relógio da Mesquita Umayyad localizava-se em dois níveis (como descrito por Ibn Jubayr) no lado direito da porta oriental da Mesquita. Consistia em três partes básicas. Da descrição mencionada no manuscrito original, podemos descrever os componentes do relógio da seguinte forma:

O NÍVEL SUPERIOR

O nível superior contém:

A parte externa visível, com vista para os transeuntes, é uma placa grande de madeira e cobre, de dimensões aproximadas 240 x 240 cm. Ela contém as funções básicas do relógio, que são as seguintes (de baixo para cima):
a) As portas de bronze, cada uma girando em torno de eixos, na superfície de cada uma delas há um número que aparece para o espectador depois de uma hora decorrida e elas, como as horas do dia, são doze portas.

b) Abaixo de cada porta há um indicador ou ponteiro com um crescente que desliza com o passar do tempo para mostrar as partes de uma hora.

c) Acima de cada porta há uma cúpula de cobre, cada cúpula se levanta depois de uma hora ter passado, com a rotação da porta.

d) Nas laterais das portas de cobre há dois falcões (Bazan) com asas de propagação, feitos de cobre, cada um jogando bolas de cobre em um vaso para gerar um som de campainha em intervalos de hora em hora.

e) No meio na parte superior há um disco semicircular, chamado 'o círculo da noite' (Da'irat al-Layl), que tem 12 aberturas circulares equi-espaçadas. Estas aberturas permitem luz de uma lamparina atrás do disco, pela qual o relógio se transforma indicando as horas à noite.

f) Dentro do círculo iluminado à noite, há outro círculo, no qual é desenhado um horóscopo (Zodíaco). Isto dá informações específicas sobre a mudança das estações.

g) No centro do círculo anterior há uma seta, que gira com a passagem das horas do dia, para indicar o movimento angular do sol, do nascente ao poente.

Estes círculos estão cobertos em meia-forma por uma prancha de madeira com colunas laterais chamadas Samt al-Ufuq (A linha do horizonte).
A parte traseira da parte superior contém o sistema de controle mecânico que usa cordas e polias para converter o movimento vindo da casa inferior em diferentes outras partes em movimento do relógio.
A SEÇÃO INFERIOR

A seção inferior abriga o motor que gera os movimentos e os transmite por cordas e polias para as peças na parte superior. O motor funciona por um flutuador em um tanque de água (bankan). Após a drenagem da água do tanque, através de um orifício na parte inferior, o flutuador se move para baixo assistido pela gravidade, puxando uma corda sobre uma polia que provoca o movimento de todas as outras partes. O movimento do flutuador é controlado pela velocidade com que a superfície da água se move para baixo. Este movimento é regulado por uma válvula de controle anexada ao orifício.


Figura 3: O plano geral do relógio de água da mesquita dos Omíadas, como elaborado por Ridhwan al-Sa'ati em seu manuscrito original
AVALIAÇÃO CRÍTICA DOS DOIS MODELOS RECENTES

No ano 2000, o autor deste artigo contatou o Professor Fuat Sezgin para alertá-lo para as numerosas anomalias no modelo do relógio que foi construído e exibiu em seu museu, e que a partir da descrição e fotos, parece que este modelo tem pouco a ver com o relógio da Mesquita dos Omíadas. O autor convidou o Professor Sezgin para Damasco, para que ele pudesse testemunhar um modelo mais representativo que construímos do relógio real. Infelizmente, o Professor Sezgin recusou-se a admitir que seu modelo não combina com os desenhos de Eilhard Wiedemann e Fritz Hauser, nem segue a descrição do relógio no manuscrito original de Ridhwan al-Sa'ati.
Quatro anos mais tarde, em uma entrevista com um jornalista em Dubai, demos informações preliminares sobre o nosso modelo de relógio e seu design externo. Então, em 2006, publicamos um artigo em árabe no Syrian Journal Al-Ma'rifa (n.º 518, de novembro de 2006), que incluía mais detalhes e informações sobre este dispositivo. Além disso, um pequeno estudo em inglês foi publicado em www.MuslimHeritage.com, o portal acadêmico, especializando na difusão de conhecimentos sobre ciência, tecnologia e medicina dentro da cultura muçulmana. [6]
Há uma clara necessidade de esclarecer alguns fatos sobre este tópico para afastar a confusão pelas alegações anteriores.

CARACTERÍSTICAS DOS RELÓGIOS ISLÂMICOS

Muitas páginas serão necessárias para explicar a mecânica dos relógios de água islâmicos. No entanto, um rápido resumo recolhido dos relógios de água (22 em número) desde aquele de Harun al-Rashid até os relógios da cidade de Fez, leva-nos a dar os princípios gerais que todos compartilhavam:
• Geração de movimento a partir de um motor de água simples;
• Máquinas que causam atividades diferentes;
• Diferentes movimentos que indicam o tempo.
Estes movimentos e atividades diferem de acordo com a importância, o tamanho e a localização do relógio, desde uma pequena caixa de relógio, relógios de tamanho médio para os palácios, até relógios de tamanhos maiores para as cidades, que foram localizados em centros importantes.
O relógio de Ridhwan al-Sa'ati foi colocado perto da Mesquita dos Omíadas, perto da Casa Verde (al-dar al-khadra') na casa do governo. Foi mantido e gerido diretamente por um ministro do governo. Em termos de cronometragem, alguns desses relógios indicam apenas a hora do dia (do nascer ao pôr do sol) e alguns deles indicam ambos, a do dia e da noite.
A cronometragem varia entre a divisão do tempo do dia em 24 partes iguais, como no nosso tempo presente, e este sistema foi chamado 'a hora plana' (al sa'at al-mustawiya) ou seja, a hora igual. Em sociedades muçulmanas, este sistema de temporização recebeu prioridade mais baixa em relação a outro sistema, aquele que divide a luz do dia em 12 partes iguais e a noite em 12 partes iguais. Neste sistema de cronometragem, as horas do dia no dia mais longo do verão media 76 minutos, enquanto as horas da noite do mesmo dia medido 44 minutos do nosso sistema atual de temporização. Essa hora foi chamada 'a hora temporal' (al-sa'a al-zamaniyya). Este sistema de cronometragem foi favorecido sobre o sistema de hora igual, porque:
• Ele vincula diretamente as atividades diárias de trabalho da sociedade, que ocorrem principalmente durante a luz do dia. Assim, o dia do amanhecer ao anoitecer é dividido em 12 partes.
• Ele ajuda a definir as horas da oração, como salat al-Dhuhr (oração do meio-dia) na 6ª hora constantemente durante todo o ano e o salat al-Maghrib (oração do sol) na 12ª.
• Isso é um resultado da partição do tempo solar (relógio de sol), que opera a partir do amanhecer até o pôr do sol dando semelhante tempo cada dia durante todo o ano.
Uma das características importantes do relógio da Mesquita dos Omíadas é sua capacidade de mostrar os dois sistemas de tempo automaticamente. Ele o faz pelo uso inteligente da mecânica dos fluidos e dispositivos de controle. Outra característica do interesse é que o relógio tem oito atividades externas mostrando o tempo de maneiras diferentes. Esta natureza fascinante do relógio corresponde à mesquita dos Omíadas como um edifício arquitetônico da civilização.

Figura 4: Vista do relógio do Museu do Cairo

Podemos agora discutir as características dos modelos reconstruídos em Frankfurt ou Cairo e examinar as reivindicações de seus fabricantes.
Primeiro de tudo, cada modelo em funcionamento dentre aqueles reconstruídos não é necessariamente uma réplica genuína de reconstrução do relógio original da mesquita Umayyad. O importante, no entanto, é a correspondência das especificações e o método de funcionamento do relógio. A maioria dos relógios de água contam com a presença das portas que se abrem e duas aves que atiram as esferas e a possibilidade da existência de um círculo que é aceso e mostra o tempo durante a noite.
O RELÓGIO DE FRANKFURT

Pela análise do que foi publicado anteriormente sobre o relógio de Frankfurt e comparando-o com a descrição do manuscrito do relógio original de Ridhwan al-Sa'ati, encontramos o seguinte:

• O tamanho total geral l é menor do que as dimensões do relógio da Mesquita dos Omíadas como no último capítulo do manuscrito de Ridhwan al-Sa'ati
• Ele não mostra um motor de água externo separado, como descrito pelo manuscrito do relógio original.
• Não tem um regulador de água externa separado que gerencia o relógio (chamado a Bandeja).
• Os mecanismos internos foram cobertos por trás por uma placa de madeira.
• O círculo superior - o círculo da noite que é iluminado – localizado no nível superior do relógio, no meio, é diferente do relógio original, mas mais se assemelha ao relógio de água de Al-Jazari
• Metade do círculo superior no relógio da Mesquita dos Omíadas está oculto por um pedaço de madeira que consiste de colunas laterais chamadas Samt al-ufuq (a linha do horizonte) que indica o nascer e o pôr do sol. Isso está faltando no relógio do Museu de Frankfurt.
• Os dois falcões que lançam bolas para vasos no relógio do museu de Frankfurt estão instalados de forma diferente da forma como estão instalados no relógio da Mesquita dos Omíadas.
• Os vasos recebendo as esferas não contêm o espelho que é mencionado na descrição do relógio da Mesquita dos Omíadas. Ao contrário do relógio original, os dois vasos estão colocados separadamente do corpo do relógio. Portanto, não estão conectados à 'casa das esferas' dentro do corpo principal.
• A estrutura geral das colunas, as portas e o círculo da noite do relógio do Museu de Frankfurt não seguem as descrições delas no manuscrito.

Não obstante essas variações, há um problema maior com o relógio de Frankfurt, em que há muitos recursos faltando, mas que são encontrados no relógio original. Exemplos disto são:
• Não há cúpulas sobre os portões
• Não há nenhum indicador ou ponteiro que deslize por debaixo das portas para mostrar partes da hora.
• Não há círculo de horóscopos (zodíaco) que indicam mudança das estações.
• Não existe nenhuma seta que gira com a passagem da luz do dia, para indicar o ângulo do sol.
Não há porões para os vasos, e, portanto, não há veículos para guiar as esferas de volta para a casa de esferas.
O RELÓGIO DO CAIRO

Se nos movermos para o modelo do Museu do Cairo, achamos que há uma grande semelhança entre este modelo e o modelo do Museu do Frankfurt, dando a impressão de que eles têm o mesmo fabricante. No entanto, há uma diferença. O modelo do Cairo tem uma dimensão ampliada de 240 cm. Isto é um pouco estranho já que esta dimensão só apareceu em uma publicação prévia do autor presentes nos jornais e na internet[7]. Infelizmente, o criador do modelo do Cairo fez algumas alterações injustificadas tais como a redução do número das aberturas circulares da noite de 12 para 5 e a modificação da forma dos pássaros para aqueles que não têm nenhuma semelhança com os originais.

Por causa da similaridade muito próxima do modelo Cairo ao de Frankfurt, todas as anomalias identificadas anteriormente aplicam-se a ele também.
É entristecedor observar que estes dois modelos não fazem justiça à magnificência do relógio original, que na época correspondia à grandeza da Grande Mesquita Umayyad.

REFERÊNCIAS

[1.] Wiedemann, Eilhard & Hauser, Fritz, "Über die Uhren im Bereich der islamischen Kultur", Nova Acta: Abhandlungen der Kaiserlich Leopoldinisch-Carolinischen Deutschen Akademie der Naturforscher, 100 (1915), Heft 5 – reimpresso em: Gesammelte Schriften zur arabisch-islamischen Wissenschaftsgeschichte(Frankfurt am Main: Institut für Geschichte der Arabisch-Islamischen Wissenschaften an der Johann Wolfgang Goethe-Universität, 1984 [= Veröffentlichungen des Institutes für Geschichte der Arabisch-Islamischen Wissenschaften, Reihe B, Band 1]), vol. III, pp. 1211-1482.
[2.] Eilhard Wiedemann, Gesammelte Schriften zur arabisch-islamischen Wissenschaftsgeschichte. Gesammelt und bearb. von Dorothea Girke. Frankfurt: Institut für Geschichte der Arabish-Islamischen Wissenchaften, 1984, 3 vols.
[3.] Donald R. Hill, Arabic Water clocks. Al-Sa'at al-ma'iyah al-'arabiyah. Aleppo: Aleppo University, Institute for the History of Arabic Science, "Sources & studies in the history of Arabic-Islamic science, history of technology series", N° 4.
[4]. Ridhwan Muhammad b. al-Sa'ati, ' Ilm al-Sa'at wa 'l-' Amal biha, editado por Muhammad Ahmad Dahman. Damasco: Maktab al-dirasat al-Islamiyyah, 1981.

[5.] Em Ridhwan al-Sa'ati's life and work, ver Abdel Aziz al-Jaraki,When Ridhwan al-Sa'ati Anteceded Big Ben by More than Six Centuries (publicado em 11 de abril de 2007)) e Moustafa Mawaldi, Ridhwan al-Sa'ati: A Biographical Outline (publicado em 29 de junho de 2008.)
[6]. Ver Abdel Aziz al-Jaraki, When Ridhwan al-Sa'ati Anteceded Big Ben by More than Six Centuries, (publicado em 11 de Abril de 2007).
*Abdel Aziz al-Jaraki é um arquiteto profissional em Damasco, com expertise na tradição islâmica da mecânica. Ele é um consultor para a Foundation for Science, Technology and Civilisation (FSTC), Reino Unido.

Por: Abdel Aziz Al-Jaraki
Tradução e Adaptação: Islane Castelo


You have no rights to post comments