Dia seis: Categorias de Pessoas em Jejum (parte 1 de 3)

Dia seis: Categorias de Pessoas em Jejum (parte 1 de 3)

Precedemos, no terceiro majlis (sessão de estudos), que no começo a obrigação de jejuar era em duas etapas. Então, a decisão posterior permaneceu e o povo foi dividido em dez categorias:


Primeiro: O Muçulmano

O muçulmano, maior de idade, são e capaz de jejuar, residente naquele local em que se encontra, livre de qualquer impedimento ao jejum e, dessa forma, é obrigatório para ele jejuar no tempo correto do Ramadan. Isto é da evidência do Alcorão, da Sunnah e do consenso dos muçulmanos. Allah diz: “Ramadan é o mês em que foi revelado o Alcorão…” e o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: “Se tu avistares a lua crescente, então jejua” (muttafac alaihi) E os muçulmanos concordaram com a obrigação da pessoa jejuar com base nisso. Quanto ao kafir (incrédulo), o jejum não é obrigatório para ele, nem é aceito, porque ele se encontra inadequado para a adoração. Se ele aceita o Islam durante o Ramadan, ele não precisa compensar os dias perdidos, devido à ayah “Dize aos que renegam a Fé que se se abstêm da descrença, ser-lhes-á perdoado o que já se consumou”. E se ele se tornar muçulmano durante o dia no Ramadan, ele deve parar de comer o resto do dia, porque se tornou obrigatório para ele jejuar assim que tenha se tornado muçulmano, e ele não precisa compensar o dia, porque não lhe era obrigatório o jejum quando dia havia começado.

Segundo: As Crianças

Crianças, e não é obrigatório que elas jejuem até atingirem a puberdade devido ao hadith: “A caneta é levantada sobre três [e não registra suas ações]: aquele que está dormindo, até que acorde; a criança, até que atinja a puberdade; e alguém que é insano, até que recobre os seus sentidos” (Ahmad, Abu Dawud, An-Nisai e Al-Hakim declararam Sahih). Mas seu tutor deve ordenar que jejue, se a criança for capaz, para que ela se acostume quando chegar à puberdade. Os sahabas costumavam fazer seus filhos jejuarem quando jovens, levavam-nos à mesquita, e davam a eles um brinquedo feito de lã; se a criança chorasse de fome, eles davam o brinquedo para a criança se entreter.

E muitos pais não prestam atenção a esse assunto hoje e não ordenam que seus filhos jejuem. Ao contrário, alguns pais impedem que seu filho jejue, mesmo que a criança queira jejuar, pensando que estão sendo misericordiosos com seus filhos. A realidade é que a verdadeira misericórdia para com seus filhos é criá-los cientes dos ritos do Islam e com uma educação adequada. Portanto, quem os impede disso é negligente, então se torna um opressor para os filhos e para si mesmo. Porém, se a criança jejuar e os pais perceberem que ela está se prejudicando, eles deverão impedi-la.

Puberdade masculina

O homem atinge a puberdade se um dos três fatos ocorrer:

1) Liberação de espermatozoides, seja de um sonho úmido ou de qualquer outra coisa, devido à ayah: “E, quando as crianças, dentre vós, atingirem al-hulm (puberdade)”, e o hadith, “o Ghusl na sexta-feira é wajib para todos os muhtalim” (Muttafac alaihi).

2) Crescimento de pelos pubianos, segundo Atiya al-Quraidhi: “Fomos apresentados ao Profeta no dia de Quraiza, de modo que quem fosse muhtalim ou tivesse pelos pubianos era morto e, se não, era poupado” (Ahmad, Nassa’i e seu Sahih) [este hadith se refere à invasão de banu quraiza, quando os inimigos eram ou não poupados conforme sua maturidade.]*

3) Atigindo os 15 anos, devido ao dito de Abdullah bin Umar, “vim ao Profeta no dia de Uhud, tinha 14 anos e ele não me permitiu lutar”. Al-Baihaqi e Ibn Hibban, em seu Sahih, acrescentaram com uma corrente autêntica: “e ele não achava que eu havia atingido a puberdade, eu vim a ele no dia de Khandaq, e já tinha 15 anos e ele me permitiu lutar”. Baihaqi e Ibn Hibban acrescentaram com uma corrente de transmissão Sahih: “ele me considerou maduro” (Narrado pelo Grupo). Ibn Nafi ‘disse: “Relatamos este hadith ao khalifa, Umar bin Abdil-Aziz, e ele disse: ‘esse é o limite entre a criança e o adulto’. E ele disse a seus trabalhadores que doassem da riqueza a quem atingisse os 15.” (Bukhari).

Puberdade Feminina:

E as mulheres atingem a puberdade da mesma maneira que os homens, com o início da menstruação. Assim, quando uma garota menstrua, ela é madura, então ela é responsabilizada, mesmo que ela não tenha atingido os dez anos.

A regra:

E caso uma criança atinja a puberdade durante o dia no Ramadan, se já está jejuando, deve continuar; e se não estava em jejum, não deve comer o resto do dia, porque se tornou um adulto e está obrigado a jejuar. E ela não precisa compensar o dia porque não preencheu a condição de jejum no início deste.

Terceiro: Os Insanos

Uma pessoa insana, alguém que tenha perdido a razão. O jejum não é obrigatório a ela por causa do hadith: “A caneta é levantada sobre três…” E o jejum não estará correto, porque ela não tem a capacidade de compreender a adoração que está oferecendo ou de intencionar, e o culto não é aceito sem intenção. Isso é conhecido pelo hadith: “As ações vêm pelas intenções…” Então, se a pessoa é louca às vezes, e outras vezes ela recobra os sentidos, então ela só precisa jejuar quando estiver sã.

E se ela fica insana durante o dia, seu jejum ainda é válido, assim como se uma pessoa adoecesse durante o dia, porque ela pretendia jejuar quando estava sã e sob uma intenção correta. Não há evidências da nulidade de seu jejum, especialmente se ela sabe que perde os sentidos em um momento específico. E ela não precisa compensar os dias em que estava louca. E se ela se recupera durante o dia, então tem que parar de comer naquele dia, e não precisa repor, da mesma forma que uma criança que atinge a puberdade ou o kafir que se torna muçulmano.

Quarto: O Senil

O senil que se tornou delirante e sem razão, perdeu a capacidade de discernimento, então não é obrigado a jejuar e não precisa lidar com as outras pessoas, porque não é mais responsável devido à perda de seu senso; assim como uma criança pequena. Mas se ele recobra o senso algumas vezes, e é senil outras vezes, então ele só precisa jejuar no primeiro caso, e o mesmo se aplica à oração.

Quinto: os fracos

A pessoa fraca, incapaz de jejuar e que sua condição nunca melhorará, como uma pessoa idosa ou uma pessoa em estágio terminal, como o do câncer, então ela não precisa jejuar porque é incapaz, e Allah diz: “Então, temei a Allah quanto puderdes e Allah não impõe a alma alguma senão o que é de sua capacidade”. Mas ela, em vez de jejuar, precisa alimentar uma pessoa pobre a cada dia de jejum perdido, porque Allah fez com que se alimentasse uma pessoa pobre na mesma proporção que se jejuaria, quando havia a possibilidade de escolha entre os dois, quando o jejum foi obrigado pela primeira vez. Assim, foi especificado que a alimentação substituía o jejum da pessoa fraca e equilibrou isso.

*Nota da tradutora

continua amanhã…

Siyam e Ramadan