Como Aconselhar (Nassiha)

Como Aconselhar (Nassiha)

(Artigo em 8 Partes)

Estabelecer uma distinção entre aquele que erra por ignorância e aquele que erra, apesar de seu conhecimento

Uma das histórias que ilustram isto claramente é o que aconteceu com Mu’aawiyah ibn al-Hakam al-Salami, quando ele veio do deserto para Medina e ele não sabia que era proibido falar durante o salaah


. Ele disse: “Enquanto eu estava orando atrás do Mensageiro de Allah (SAW), um homem espirrou, então eu disse: Yarhamuk Allah (que Allah tenha misericórdia de ti) O povo olhou para mim, então eu disse: Que minha mãe me perca! O que há de errado com vocês que estão olhando pra mim?  Eles começaram a bater nas coxas com as mãos, e quando eu vi que eles estavam indicando que eu deveria ficar quieto, eu parei de falar (ou seja, eu queria responder a eles de volta, mas eu me controlei e mantive o silêncio). Quando o Mensageiro de Allah (SAW) acabou de rezar – que o meu pai e minha mãe sejam sacrificados por ele, eu nunca vi um professor melhor do que ele, antes ou depois – ele não me repreendeu ou me bateu ou me envergonhou. Ele apenas disse: “Esta oração não deve conter nada do discurso dos homens, é apenas tasbih e takbeer e recitação do Alcorão.” (Sahih Muslim, ‘Abd al-Baaqi EDN, no 537.).

A pessoa ignorante precisa ser ensinada, aquele que tem dúvidas deve ter as coisas explicadas para ele, a pessoa negligente precisa ser lembrada, e aquela que voluntariamente persiste no erro precisa ser avisada. Não é direito de tratar aquele que sabe sobre uma regra e aquele que é ignorante da mesma forma, quando repreendê- los. Tratar alguém que não sabe, muito duramente, só vai afastá-lo e fazê-lo se recusar a seguir o seu conselho, ao contrário, ensine-o com sabedoria e mansidão, porque uma pessoa ignorante simplesmente não percebe que está cometendo um erro. É como se ela estivesse dizendo para a pessoa que está a repreende-lo: “Por que você não me ensina antes de lançar um ataque contra mim.”

A pessoa que está cometendo um erro sem perceber pode pensar que está certa, por isso, devemos levar isso em conta e lidar com ela com muito tato. Imam Ahmad (rh) informou em al-Musnad de al-Mugheerah ibn Shu’bah: “O Mensageiro de Allah (SAW) comeu algum alimento, depois levantou-se para orar. Ele já tinha feito wudoo antes disso, mas eu trouxe um pouco de água para ele fazer wudoo, Ele me rejeitou e disse: “Vá embora!” Eu me senti chateado, por Allah. Ele orou, e queixou-se a ‘Umar sobre o que tinha acontecido. Ele disse,”Ó Profeta de Allah, al-Mugheerah se sente magoado por sua rejeição, e ele está preocupado que você pode estar com raiva dele por alguma razão. “O Profeta (SAW) disse: Eu só vejo de bom nele, mas ele me trouxe água para fazer wudoo depois que eu tinha comido um pouco de comida, e se eu tivesse feito wudoo, então, as pessoas seguiriam o exemplo [ex., eles teriam pensado que eles tinham que fazer wudoo cada vez que comessem algo ]” al-Musnad, 4/253).

Devemos notar aqui que quando o Profeta (SAW) apontou os erros desses grandes Sahaabah, não teve um impacto negativo sobre eles ou os afastou, mas sim, teve um efeito positivo sobre eles, e tendo sido corrigido nesta forma pelo Profeta (SAW), eles permaneciam ansiosos e preocupados, observando seus comportamentos e sentimentos cautelosos até que se podia ter certeza de que o Mensageiro de Allah (SAW) estava satisfeito com eles.

Podemos notar também a partir desta história que, quando o Profeta (SAW) apontou o erro de al-Mugheerah, ele não estava zangado com o próprio al-Mugheerah, ele fez isso por misericórdia para com as pessoas e para explicar as coisas claramente para elas, de modo que elas não iriam impor algo sobre si mesmas que não era waajib e que causaria uma grande quantidade de dificuldade.

Fazer uma distinção entre erros decorrentes de um esforço honesto para descobrir o que é certo (ijtihaad), e os erros feitos deliberadamente, por negligência ou por causa de deficiências

Não há dúvida de que, no primeiro caso, uma pessoa não deve ser responsabilizada, na verdade ela vai ganhar uma recompensa mesmo que ela esteja errada, contanto que sua intenção seja sincera e tentou chegar à conclusão certa, porque o Profeta (SAW) disse: “Se um juiz julga e se esforça para tomar a decisão certa, e sua decisão está correta, ele terá duas recompensas, e se sua decisão é errada, ele ainda terá uma recompensa.” (Relatado por al-Tirmidhi , 1326, Shaakir ed. Abu ‘Eesa al-Tirmidhi disse que é um hadith ghareeb hasan nesta versão).

Este é um caso diferente daquele que erra deliberadamente ou por causa de deficiências. No primeiro caso, a pessoa deve ser ensinada e aconselhada, no segundo, ele deve ser advertida e repreendida.

O ijtihaad que pode ser dispensado deve ser feito por parte de quem é qualificado , e não aquele que dá fatwas sem o conhecimento e sem levar em conta as circunstâncias . É por isso que o profeta denunciou severamente as pessoas que cometeram o erro no caso do homem com o ferimento na cabeça.

Abu Dawood narrou em sua Sunan de Jaabir (RA), que disse: “Nós saímos em viagem, e um dos homens conosco foi atingido na cabeça com uma pedra e começou a sangrar. Então ele dormiu e quando acordou ele precisava fazer ghusl (ele estava em estado de janaabah ou impureza). Ele pediu a seus companheiros: “Vocês acham que eu poderia me safar fazendo tayammum?” Eles disseram, ‘Nós não achamos que você tem alguma desculpa porque a água está disponível. “Então ele fez ghusl, e ele morreu. Quando chegamos ao Profeta (SAW) e ele foi informado sobre isso, ele disse: “Eles o mataram, que Allah os mate! Por que não perguntaram se eles não sabiam? A cura de quem não sabe é pedir(perguntar) … “(Sunan Abi Dawood, Kitaab al-Tahaarah, Baab al-Majrooh yatayammam).

O Profeta (SAW) disse que os juízes são de três tipos, um estará no Paraíso e os outros dois no inferno. O tipo que estará no Paraíso é um homem que sabe a verdade e julga em conformidade. Um homem que sabe a verdade, mas julga injustamente estará no inferno, e um homem que julga entre as pessoas sem conhecimento adequado também estará no inferno. (Sunan Abi Dawood, nº. 3.573). O terceiro tipo não é considerado como tendo qualquer desculpa.

Outro fator na aferição do grau de repreensão é prestar atenção ao ambiente em que o erro ocorreu, tal como se foi em um ambiente em que a Sunnah é seguida ou a bid’ah é generalizada, ou quanto o mal é prevalecente , ou se existem pessoas ignorantes ou excessivamente indulgentes, cujas opiniões são amplamente seguidas, emitindo fatwas para dizer o que é permitido.

A boa intenção por parte de quem comete o erro, não significa que ela não deve ser repreendida

‘mr ibn Yahya disse: “Eu ouvi meu pai narrando a partir de seu pai, que disse:” Nós estávamos na porta de Abd-Allah ibn Masud antes da oração da manhã. Quando ele saiu andamos com ele para a mesquita. AbuMussa al-Ash’ari veio até nós e disse: “Será que Abu Abd al-Rahmaan veio até vocês já?” Nós dissemos: “Não.” Ele sentou-se conosco até [Abu’ Abd al-Rahmaan] sair. Quando ele saiu, nós todos nos levantamos para cumprimentá-lo, e Abu Mussa disse-lhe: “Ó Abu Abd al-Rahmaan, mais cedo eu vi na mesquita algo que eu nunca tinha visto antes, mas parece bom, al-hamdu Lillaah.” ele disse: “E o que foi?” ele disse: “Se você viver, você vai vê-lo. Eu vi pessoas na mesquita sentadas em círculos à espera da oração. Em cada círculo havia um homem que tinham pedras em suas mãos. Ele dizia: “Diga Allaahu akbar cem vezes, e eles diriam Allaahu akbar cem vezes, então ele dizia: Diga Laa ilaaha ill Allah cem vezes, e eles diriam Laa ilaaha ill Allah uma centena de vezes, então ele dizia: Diga Subhaan Allah cem vezes, e eles diriam Subhaan Allah cem vezes”.  Ele perguntou: “O que você disse a eles?” Ele disse:”Eu não disse nada a eles. Eu estava esperando para ver qual a sua opinião seria e o que você me diria para fazer” Ele disse: “Por que você não diz a eles para contar suas más ações e garantir-lhes que nada de suas boas ações seriam desperdiçadas?” Depois que ele saiu, e fomos com ele, até que ele chegou a um desses círculos. Ele se levantou sobre eles e disse:”O que é isso que eu vejo que você está fazendo?” Eles disseram:”Ó Abu’ Abd al-Rahmaan, estes são seixos que estamos usando para contar o nosso takbeer, tahleel e tasbih.” Ele disse:”Conte suas más ações, e eu garanto que nada de suas boas ações serão desperdiçadas. Ai de ti, ó Ummah de Muhammad, a rapidez com que está sendo destruída! Os companheiros de seu Profeta (SAW) ainda estão vivos, sua roupa ainda não está desgastada e suas vasilhas ainda não estão quebradas. Por Aquele em cujas mãos está minha alma, ou você está seguindo um caminho que é mais orientado do que a de Muhammad ou você abriu a porta de desorientação!” Eles disseram,”Por Allah, Ó Abu Abd al-Rahmaan, nós só queríamos fazer o bem”. Ele disse:”Quantos daqueles que queriam fazer o bem não conseguiram alcançá-lo!” O Mensageiro de Allah (SAW) disse-nos que as pessoas recitam Alcorão e não vai além de suas gargantas. Por Allah, eu não sei, talvez a maioria deles são pessoas como você.Então ele se afastou deles. Amr ibn Salamah disse:” Eu vi a maioria dos membros desses círculos lutando ao lado do Khawaarij no dia da Nahrawaan.”(Relatado por al-Daarimi, al-Sunan, nº. 210, ed. por ‘Abd-Allah Haashim al-Yamaani).

Ser justo e não ser tendencioso quando corrigir aqueles que cometem erros

Allah diz (interpretação do significado):

…Quando sentenciardes (ou seja, julgar entre homens ou apresentar provas), sede justos… [al-An’aam 6:152].

…Quando julgardes vossos semelhantes, fazei-o com eqüidade…  [al-Nisa’ 4:58].

O fato de que Usaamah ibn Zayd foi o amado do Profeta (SAW) e o filho de sua amada [Zayd] não impediu o Profeta (SAW) de repreendê-lo mais severamente quando ele tentou interceder a respeito de uma das punições (Hudood) prescritas por Allah. Aisha (que Allah esteja satisfeito com ela) informou que os coraixitas estavam preocupados com uma mulher que roubou no tempo do Profeta (SAW), na época da conquista de Meca. Eles disseram:”Quem vai falar com o Mensageiro de Allah (SAW) sobre ela? Quem vai ter coragem de fazer isso que não seja Usaamah ibn Zayd, o amado do Mensageiro de Allah (SAW)?” Ela foi trazida para o Mensageiro de Allah (SAW) e Usaamah ibn Zayd falou-lhe a respeito dela. O rosto do Mensageiro de Allah (SAW) mudou de cor e ele disse: “Você está intercedendo a respeito de uma das punições prescritas por Allah? ” Usaamah disse-lhe:”Ore por perdão para mim, ó Mensageiro de Deus.”Quando a noite chegou, o Mensageiro de Allah (SAW) se levantou e se dirigiu ao povo. Ele elogiou a Allah como Ele merece ser elogiado, então ele disse: “As pessoas que vieram antes de vocês foram destruídas porque se um de seus nobres roubava, eles o deixavam ir, mas se um dos mais fracos dentre eles roubava, eles aplicavam o castigo nele. Por Aquele em Cujas Mãos está minha alma, se Faatimah a filha de Muhammad viesse a roubar, eu cortaria sua mão.” Então ele ordenou que a mulher que havia roubado deveria ter a mão cortada. (The hadith foi relatado por al-Bukhari e Muslim, esta versão foi narrada por Muslim, n º 1688).

De acordo com um relato narrado por al-Nisaa’i de Aisha (que Allah esteja satisfeito com ela), ela disse: “A mulher emprestou algumas joias, alegando que ela queria emprestá-las para outra pessoa, mas ela vendeu e ficou com o dinheiro. Ela foi trazida para o Mensageiro de Allah (SAW). Sua família foi para Usaamah ibn Zayd, que falou com o Mensageiro de Allah (SAW) sobre ela. O rosto do Mensageiro de Allah (SAW) mudou de cor, enquanto Usaamah estava falando, então o Mensageiro de Allah (SAW) disse a ele:”Você está intercedendo a respeito de uma das punições prescritas por Allah?” Usaamah disse:”Ore por perdão para mim, ó Mensageiro de Deus.” À noite, o Mensageiro de Allah (SAW) se levantou, elogiou Allah como Ele merece ser louvado, e então disse, “As pessoas que vieram antes de vocês foram destruídas porque se um de seus nobres roubava, eles iriam deixá-lo ir, mas se um dos mais fracos dentre eles roubava, eles iriam levar a cabo a punição para ele. Por Aquele em Cujas Mãos está minha alma, se Faatimah a filha de Muhammad viesse a roubar, eu cortaria sua mão.” Então ele ordenou que a mão da mulher devesse ser cortada. (Sunan al-Nisaa’i).

A atitude do Profeta para com Usaamah (RA) indica que ele era justo, e que o Islam veio antes do amor pelas pessoas em seu ponto de vista. Uma pessoa pode tolerar as faltas pessoais de quem ela quiser, mas ele não tem o direito de ser tolerante ou tendencioso para aqueles cujos erros transgridem os limites estabelecidos pelo Islam.

Às vezes, quando um parente ou amigo comete um erro, uma pessoa não o repreende como ele faria com uma pessoa que ele não conhece, por isso pode-se ver preconceito anti-Islammico ou discriminação em suas relações por causa disso, e uma pessoa pode ignorar conscientemente o erro de seu amigo enquanto critica duramente outra pessoa.

[Um poeta árabe disse uma vez:] “Se você está feliz com uma pessoa, você não vê seus erros, mas se você está irritado com ela, você vê-los todos.”

Isso também pode ser refletida na maneira em que as ações são interpretadas. Uma ação por parte de uma pessoa que se ama será levada para um lado, e a mesma ação por parte de outra pessoa será levada de forma bastante diferente. Todos os itens acima se aplicam somente quando as circunstâncias são as mesmas, caso contrário, poderiam haver diferentes considerações como veremos a seguir.

Tendo o cuidado por medo de corrigir um erro e levar a um erro ainda maior

É um fato bem estabelecido que o Islam permite o menor de dois males, a fim de repelir um mal maior. Assim, um da’iyah pode manter o silêncio sobre um erro para não dizer algo que leva a um erro mais grave.

O Profeta (SAW) manteve o silêncio sobre os munaafiqeen e não executou-os, apesar de seu kufr ser bem estabelecido. Ele suportou os seus insultos com paciência, a fim de que as pessoas não dissessem, “Muhammad está matando seus companheiros”, especialmente desde que a verdadeira natureza deles não era conhecida por todos. O Profeta (SAW) não destruiu a Caaba, a fim de reconstruí-la sobre as bases estabelecidas por Ibrahim, por consideração para com os coraixitas que ainda estavam novos no Islamm e muito perto de sua Jahiliyyah recente. Ele (SAW) temia que poderia ser demais para eles, por isso ele deixou como estava, com a parte faltando, e a porta definida alta e fechado para as massas, mesmo que isso contenha um elemento de zulm (delito ou opressão ).

Antes disso, Allah havia dito aos muçulmanos para não insultar os deuses do mushrikin, mesmo que esta seja uma forma de adoração, porque isso poderia levar as pessoas a insultar Allah, que é o pior dos males.

Um dai’yah pode manter o silêncio sobre uma ação errada, ou adiar a repreensão, ou mudar sua abordagem, se ele acha que fazendo isso ele vai evitar um mal maior ou erro. Isto não é considerado falha ou negligência, desde que a sua intenção seja sincera e ele não tema ninguém, exceto Allah, e esta foi a única preocupação no melhor interesse do Islam, não covardia, que o impediu de dizer qualquer coisa.

Podemos notar que o que causa um mal maior quando repreendendo por um erro é o zelo que não é verificado ou controlado.

Etiqueta e Comportamento