Ayub (que a paz esteja sobre ele)

Ayub (que a paz esteja sobre ele)

Ayub (Jó – que a paz esteja sobre ele) foi um Profeta imensamente abençoado por Allah. Ele era forte e saudável; era proprietário de terras, gado abundante e possuía uma família justa e bonita; também era um líder comunitário muito respeitado e amado por seu povo. Apesar de seu status e riqueza, Ayub nunca foi arrogante, ele sempre foi humilde, ajudou prontamente os necessitados e constantemente agradeceu e glorificou a Allah por tudo com o que foi abençoado.


Árvore Genealógica do Profeta Ayub

O Profeta Ayub (Jó) era descendente do Profeta Ibrahim, a mãe de Ayub era filha do Profeta Lut e sua esposa era descendente direta do Profeta Yusuf, que a paz esteja sobre todos eles. Ayub morava em Roma com sua querida esposa Rahma e quatorze filhos.

Há um relato que diz que um dia os anjos começaram a discutir sobre o melhor dos humanos que vivia na terra. Um dentre eles disse: “A melhor criatura na terra hoje em dia é Ayub, um homem de caráter nobre que demonstra grande paciência e sempre se lembra de seu Generoso Senhor. Ele é um excelente modelo para os adoradores de Allah. Em troca, seu Senhor o abençoou com uma vida longa e muitos servos; os necessitados e os pobres compartilham de sua boa sorte – ele alimenta e veste os pobres e compra escravos para libertá-los. Ele faz com que aqueles que recebem sua caridade se sintam como se o estivessem favorecendo – tão bom e gentil ele é.”

Shaitan, que estava por perto, interrompeu a discussão e ficou muito zangado. Ele imediatamente começou a conspirar para atrair Ayub para longe da adoração de Allah. Sussurrou maus pensamentos para Ayub sobre os muitos prazeres da vida que um homem como ele poderia desfrutar; mas o Profeta era um servo sincero de Allah e não vacilava facilmente – isso enfureceu ainda mais Shaitan.

Shaitan se aproximou de Allah e O informou que Ayub não era um servo sincero e estava apenas O glorificando com medo de perder toda a sua riqueza. Ele, Shaitan, sugeriu: “Se Tu removeres a riqueza dele, descobrirás que sua língua não mencionará mais o Teu nome e suas orações cessarão”. Allah, o Onisciente, não acreditou em Shaitan, pois sabia que Ayub estava entre Seus crentes mais sinceros e não adorava seu Senhor por meras posses materiais. Mas Ele concordou em testar Ayub para mostrar a Shaitan a absoluta sinceridade de Seu leal servo. Muito feliz, Shaitan partiu para destruir a riqueza do Profeta Ayub.

Com o passar do tempo, a riqueza do Profeta Ayub começou a diminuir – sua terra, gado, servos e dinheiro lentamente o evadiu até que ele ficou sem nada. Imensamente satisfeito com a provação de Ayub, Shaitan, disfarçado de velho sábio, aproximou-se do Profeta e disse: “Toda a tua riqueza está perdida, algumas pessoas dizem que é porque tu fizeste muita caridade e estás perdendo teu tempo com tua contínua orações a Allah. Outros dizem que Allah trouxe isso sobre ti para agradar teus inimigos. Se Allah tivesse a capacidade de prevenir danos, então Ele teria protegido tua riqueza.”

Ayub respondeu: “Allah dá a quem Ele quer, e Allah tira de quem Ele quer. E toda a riqueza que eu tenho pertence a Allah, então Ele tem toda a autoridade para tomá-la de volta”. Ayub, então, virou-se e continuou a agradecer e louvar a Allah.

Sentindo-se bastante frustrado, Shaitan voltou a Allah e disse: “Eu tirei de Ayub todas as suas posses, mas ele ainda permanece grato a Ti. No entanto, ele está apenas escondendo sua decepção. O verdadeiro teste de um pai é através de seus filhos. Você verá como Ayub irá rejeitá-lo.” Allah ainda sabia que a fé e o amor de Ayub por seu Senhor não vacilariam, mas Ele concordou em testar Ayub ainda mais.

Em pouco tempo, o prédio em que os filhos de Ayub viviam caiu matando todos os seus quatorze lindos filhos. Shaitan mais uma vez visitou Ayub disfarçado de espectador empático e comentou com tristeza: “As circunstâncias em que teus filhos morreram foram tristes. Certamente, teu Senhor não está te recompensando adequadamente por todas as tuas orações”.

Ayub respondeu: “Allah me dá o que é bom para mim e tira o que é desagradável para Ele e para mim. Allah sabe que todas essas crianças podem ser um forte teste e provação para mim, então Allah as tirou de mim. Quer uma coisa seja benéfica ou prejudicial para mim, permanecerei firme em minha crença e grato ao meu Criador”.

Shaitan correu de volta para Allah e disse: “Ó meu Senhor, a riqueza de Ayub se foi, seus filhos estão mortos e ele ainda está saudável fisicamente, e enquanto ele gozar de boa saúde, ele continuará a Te adorar na esperança de recuperar sua saúde, riqueza e produzir mais filhos. Conceda-me autoridade sobre seu corpo para que eu possa enfraquecê-lo. Ele certamente negligenciará a adoração a Ti e, assim, se tornará desobediente”.

Allah concedeu seu pedido, mas instruiu: “Eu te dou autoridade sobre seu corpo, mas não sobre sua alma, intelecto ou coração, pois nesses lugares reside o conhecimento de Mim e de Minha religião”. Logo depois, a saúde de Ayub começou a se deteriorar. Ele estava tão doente que a pele de seu corpo se descolava, revelando seus músculos e ossos. Entretanto, os dois únicos órgãos que funcionavam em seu corpo eram seu coração e sua língua – assim, ele continuou a usá-los para glorificar a Allah. Ayub sofreu fortes dores, mas nunca se permitiu reclamar ou vacilar em sua crença em Allah.

As pessoas da cidade começaram a discutir: “Se Ayub fosse uma boa pessoa, Allah não teria feito isso com ele”. E eventualmente, as pessoas o abandonaram – seus parentes, amigos e todos que amavam e respeitavam Ayub o abandonaram, exceto Rahma, sua amada esposa.

O amor do Profeta Ayub por Allah

Durante anos, Ayub continuou a sofrer com sua condição, com ninguém além de Rahma ao seu lado para cuidar dele. Eles não tinham dinheiro, nem renda, então sua esposa arranjou um emprego para sustentá-lo. Mas, as pessoas da cidade não permitiram que Rahma trabalhasse por muito tempo, pois temiam que ela os afligisse com a mesma doença de seu marido. Enquanto isso, Ayub continuou a rezar para Allah para que lhe desse força e paciência para suportar essa dor e sofrimento.

Um dia, Shaitan apareceu diante de Rahma na forma de homem e perguntou a ela: “Onde está seu marido?” Apontando para a figura quase sem vida de Ayub, Rahma respondeu: “Lá está ele, suspenso entre a vida e a morte.”

Shaitan então passou a lembrá-la dos dias felizes de boa saúde, filhos e riqueza. Oprimido pelos anos de dor e sofrimento, Rahma se aproximou de Ayub e lamentou: “Ó Ayub, tu és o profeta e o mensageiro de Allah. Tu tens o relacionamento mais próximo com Allah. Pede a Allah para tirá-lo deste mal em que te encontras!”

Ayub suspirou e respondeu: “Shaitan deve ter sussurrado para ti e o deixou insatisfeita. Diga-me por quanto tempo eu gozei de boa saúde e riquezas?” Sua esposa respondeu: “oitenta anos ou mais”. Ele respondeu: “Por quanto tempo estou sofrendo assim?” Ela disse: “sete anos”. Ayub, então, disse: “Nesse caso, tenho vergonha de invocar meu Senhor para remover minhas dificuldades, pois não sofri mais do que os anos de boa saúde e fartura. Parece que tua fé enfraqueceu e tu estás insatisfeita com o destino de Allah. Se eu recuperar a saúde, juro que vou puni-la com cem golpes! A partir deste dia, eu me proíbo de comer ou beber qualquer coisa por tua mão. Deixe-me em paz e deixe meu Senhor fazer comigo o que quiser”.

A súplica de Ayub e a cura milagrosa

Sentindo-se impotente, Ayub voltou-se para Allah em busca de Sua misericórdia. “Em verdade, Shaitan me tocou com angústia (perdendo minha saúde) e tormento (perdendo minha riqueza)!”, ele rezou. Allah respondeu imediatamente ao pedido desesperado de ajuda de Ayub. Allah disse: “Bata no chão com o pé: esta é uma fonte de água para se lavar e refrescar e uma bebida refrescante”.

Ayub imediatamente cumpriu a ordem de Allah. Quando ele bateu no chão com o pé, água fria jorrou em seus pés. Conforme ordenado, Ayub bebeu e lavou todo o corpo com a água. Em pouco tempo, as bolhas de Ayub desapareceram, sua pele se renovou completamente e seus órgãos internos começaram a funcionar. De fato, Ayub foi completamente curado pela graça de Allah!

Rahma, que não aguentava mais ficar longe do marido, voltou para casa; ao entrar em sua casa, ela foi saudada por Ayub, a quem ela não reconheceu. Ela perguntou a ele: “Onde está Ayub? Quem és tu? Tu te pareces muito com ele.” Ele respondeu sorrindo: “Sou eu!” Muito feliz, ela imediatamente o abraçou e agradeceu a Allah por Sua misericórdia.

Ayub lembrou-se de sua promessa de punir sua esposa com cem golpes assim que recuperasse a saúde. Ele não queria ferir sua amada esposa, nem quebrar seu juramento a Allah; então Allah, o Mais Sábio, instruiu Ayub, “Pegue em sua mão um feixe de grama fina e bata com ele em sua esposa, e não quebre seu juramento.”

Allah então restaurou a riqueza de Ayub, enviou uma chuva de gafanhotos feitos de ouro que caiu ao redor de Ayub. Quando Ayub começou a colher os gafanhotos de ouro, Allah perguntou a ele: “Ó Ayub! Não te tornei rico demais para precisar disto?” Ayub respondeu: “Sim, meu Senhor! Mas não posso evitar Tuas bênçãos.”

Ayub e Rahma também receberam de volta sua família. O casal foi abençoado com 28 filhos lindos e saudáveis – 14 meninas e 14 meninos.

A história do Profeta Ayub é uma adversidade misturada com paciência. É fácil ser um servo fiel de Allah quando tudo está indo bem, mas sua fé nunca vacilou em tempos difíceis, o que o tornou um ser humano notável.

O Profeta Ayub no Alcorão

E por tomarem a usura, enquanto foram coibidos disso; e por devorarem, ilicitamente, as riquezas dos outros homens. E, para os renegadores da Fé, dentre eles, preparamos doloroso castigo. Mas os que, dentre eles, estão enraizados na ciência e os crentes crêem no que foi descido para ti e no que fora descido antes de ti. E aos que cumprem a oração e aos que concedem az-zakah, e aos crentes em Allah e no Derradeiro Dia, a esses concederemos magnífico prêmio. Por certo, Nós te fizemos revelações, Muhammad, como fizemos a Noé e aos profetas, depois dele. E fizemos revelações a Abraão e a Ismael, e a Isaque e a Jacó, e às tribos e a Jesus, e a Jó e a Jonas, e a Aarão e a Salomão; e concedemos os Salmos a Davi. (An Nissa, 4:161-163)

Os que crêem e não confundem sua fé com injustiça, esses têm a segurança e são guiados. E esse Nosso argumento, concedemo-lo a Abraão contra seu povo. Elevamos, em escalões, a quem queremos. Por certo, teu Senhor é Sábio, Onisciente. E dadivamo-lo com Isaque e Jacó. A ambos guiamos. E a Noé, guiamo-lo, antes. E, de sua descendência, guiamos a Davi e a Salomão e a Jó e a José e a Moisés e a Aarão – e, assim, recompensamos os benfeitores. (An Anam 6:82-84).

E Jó, quando chamou a seu Senhor: “O mal tocou-me, e Tu és O mais Misericordiador dos miseri cordiadores!” Então, atendemo-lo e removemo-lhe o que tinha de mal. E concedemo-lhe, em restituição, sua família e, com ela, outra igual, por misericórdia de Nossa parte e por lembrança para os adoradores. (Al Anbiya 21:83-84)

E menciona Nosso servo Jó, quando chamou por seu Senhor: “Por certo, Satã tocou-me com quebrantamento e castigo.” Ordenamo-lhe: “Bate na terra com o pé: eis uma água fresca para te lavares e beberes.” E dadivamo-lo com sua família e, com ela, outra igual, por misericórdia vinda de Nós e lembrança para os dotados de discernimento – e apanha, com tua mão, um feixe de gramínea; então, bate-lhe com ele, e não violes teu juramento. Por certo, encontramo-lo perseverante. Que excelente servo! Por certo, ele era devotado a Allah. E menciona Nossos servos Abraão e Isaque e Jacó, dotados de vigor e visão. Por certo, Nós os privilegiamos, com um privilégio: a lembrança da Derradeira Morada. (Sad 38:41-46)

Fonte: clique aqui

Leia também a histórias dos outros profetas: clique aqui

Histórias de Profetas e Mensageiros Uncategorized